O governo do Reino Unido afirmou nesta quinta-feira (31/01) que continua “determinado” para deixar a União Europeia (UE) no próximo dia 29 de março, a data prevista para o “Brexit”.

O porta-voz oficial da primeira-ministra do país, Theresa May, ressaltou que a posição do governo não mudou, apesar de o ministro de Relações Exteriores, Jeremy Hunt, ter sugerido mais cedo que o “Brexit” pode não ocorrer na data inicialmente estabelecida.

Em entrevista à “BBC”, o chanceler indicou que o “divórcio” entre o Reino Unido e a UE pode ser adiado se as partes toparem renegociar o acordo assinado em março, negado por parlamentares britânicos.

Apesar das declarações do ministro, o porta-voz de May reiterou pouco depois que o compromisso da primeira-ministra é conseguir concretizar a saída oficial da UE até 29 de março.

O porta-voz também informou que o governo britânico segue interessado em explorar alternativas para o mecanismo de salvaguarda, artigo incluído no acordo para evitar a criação de uma fronteira entre as duas Irlandas.

O ministro para o “Brexit”, Stephen Barclays, disse ontem que é possível encontrar uma “solução tecnológica” para evitar os problemas fronteiriços que podem ser provocados pela saída.

A UE, no entanto, descarta a opção por considerar que a tecnologia não está suficientemente avançada nesse setor, um posicionamento compartilhado pelo ministro de Empresas do Reino Unido, Greg Clark.

May deve apresentar à Câmara dos Representantes seus novos planos para deixar a UE no dia 13 de fevereiro. Até lá, a primeira-ministra seguirá tentando fazer com que o bloco europeu renegocie cláusulas travadas pelos deputados britânicos no parlamento.

(EFE)