Greve do transporte coletivo é suspensa em Manaus - Fato Amazônico




Greve do transporte coletivo é suspensa em Manaus

Com intermédio da Prefeitura de Manaus, a greve dos trabalhadores do transporte público coletivo, prevista para essa terça-feira, 12, foi cancelada. O acordo foi firmado depois de três horas intensas de negociações, na noite desta segunda-feira, entre o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviário (STTR) e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros do Amazonas (Sinetram).

A procuradora do trabalho, Fabíola Salmito, informou que o direito à Participação nos Lucros e Resultados (PRL) referentes aos anos 2008/2009, foi acordado com o pagamento de R$ 1.425 aos motoristas, que hoje recebem R$ 1.842, R$ 750 aos cobradores, que possuem remuneração de R$ 900. Os demais colaboradores das empresas também receberão. “Esse valor deverá começar a ser pago a partir do dia 30 de dezembro em até cinco parcelas, tanto para os motoristas, quanto para os cobradores e demais funcionários e com isso garantimos que a ameaça de greve está cancelada”, garantiu a procuradora.

Para o secretário Municipal de Governo (Semgov) Humberto Michiles, a Prefeitura tomou postura de defender os interesses dos trabalhadores e aquilo que lhes és devido e assim garantiu direito de todos e a circulação do transporte coletivo em sua totalidade.

“Neste momento o que está sendo cumprido é o acordo firmado há cinco anos. Temos que destacar a mediação feita pelo Ministério Público e a prefeitura também participou, fazendo valer esses princípios e preservando. Aquilo que o prefeito Arthur mais presa, que é o interesse da cidade e da coletividade. Um dia de paralização é um dia de prejuízo para todos. Felizmente, com a participação de todos, conseguimos evitar a greve a neste terça-feira teremos um dia de normalidade”, afirmou Michiles.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Rodoviários, Givanci Oliveira, o acordo não foi o esperado pela categoria, que pedia pelo menos 3,4 mil de PRL, mas ao final, se mostraram satisfeitos com o resultado. “Na verdade não foi o esperado, mas esse acordo abriu parâmetros para que possamos discutir daqui há quinze dias junto com o Ministério Público, novas negociações nas participações referentes aos anos de 2009, 2010 e dos anos seguintes. Queremos aqui agradecer ao Ministério Público e a atuação firme do secretário de governo que se impôs em contrapartidas com as empresas e saímos, com certeza com um resultado positivo”, destacou ele.

O presidente do Sinetran, Algacir Gurgacz, afirmou que o acordo foi firmado porque todos tiveram que ceder ao que se era exigido. Ele também destacou a intermediação feita pela Prefeitura e Ministério Público. “Nós firmamos acordo visando garantir que nossos usuários não fiquem a pé”, garantiu.