A primeira edição da Copa Professor Chagas de Judô serviu para mostrar que, em 2019, o Amazonas colherá bons frutos nessa modalidade olímpica. O atleta-estudante Guilherme Monteiro do Valle, de 16 anos, é um dos exemplos disso ao conquistar uma medalha de ouro na Classe Sub-21 e uma de prata na Sub-18 na categoria – 55 kg durante a competição. Os combates aconteceram no sábado, 23 de fevereiro, no ginásio do Tropical Hotel Manaus.

Guilherme é competidor da Fort Judô Clube (Vieiralves) e aluno do 2º ano do Ensino Médio no Colégio Lato Sensu. Ele luta desde os cinco anos e nasceu numa família “fominha” de judô no Estado. Os irmãos Filipe, 17, ex-seleção brasileira Sub-18, e Leonardo, 14, também praticam o esporte e Guilherme segue a sina vitoriosa do clã na modalidade. A promessa comentou sobre seu desempenho na Copa Professor Chagas.

“Na verdade eu sou atleta do Sub-18. Nessa classe, na primeira luta eu comecei um pouco mal, só tinha dois atletas e fiz uma melhor de três, sendo que a segunda eu ganhei e na terceira eu vacilei e fiquei em segundo. No Sub-21 eu lutei com o mesmo cara e consegui ganhar, ganhei bem de wazari no início da luta, e depois eu fiz a última contra o menino de Carauari e acredito foi bom meu resultado. Meu desempenho no Sub-21 foi melhor do que no Sub-18”, disse o jovem judoca. 

Garantido no Regional

Com os resultados, Guilherme garantiu classificação para Campeonato Brasileiro da Região 1, que acontece entre os dias 6 e 7 de abril, em São Luís, no Maranhão. Brilhar na competição nacional é o novo objetivo do estudante-atleta, que é treinado pelo professor Aron Barbosa na Fort Judô Clube.

“Agora é continuar treinando para me destacar lá no Maranhão, que com certeza será um campeonato muito forte. Lá fora é um pouco mais difícil”, comentou ele, deixando claro o tamanho do desafio que vai encarar no Regional.

Bom de luta, bom de escola

Oriundo de uma família estruturada, o atleta destaca o apoio dentro de casa para seguir brilhando no esporte. O empenho no Lato Sensu é tão forte quanto nos tatames.

“Meus pais me incentivam muito tanto no esporte quanto no Lato Sensu e eles não deixam de cobrar. Meu irmão Filipe, como já falei,  é um espelho para mim em tudo, porque ele passou para Medicina ano passado. Então a gente consegue administrar tanto os estudos quanto o judô, e acho que esse é o segredo de um atleta de verdade”, concluiu Guilherme.