O Departamento Integrado de Operações Aéreas (DIOA), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM), realizou neste sábado (23/02) o resgate aéreo de um adolescente de 13 anos picado por uma cobra peçonhenta em uma comunidade rural localizada no Rio Cuieiras, afluente do Rio Negro, na zona rural de Manaus. O resgate ocorreu na comunidade São Sebastião (a 62 quilômetros de Manaus), à tarde, onde a equipe buscou o jovem no helicóptero Águia 1 para atendimento médico na capital amazonense.

A solicitação do socorro foi feita pelo SAMU, que também enviou agentes no helicóptero juntamente com a tripulação da Secretaria de Segurança. A aeronave desembarcou para a Comunidade São Sebastião, onde o resgate se deu, por volta das 15h. Entre a ida e a volta até a localidade, a equipe levou cerca de uma hora.

Edvan da Silva de Oliveira recebeu os primeiros atendimentos de um médico do SAMU e da tripulação da SSP, ainda na comunidade. O jovem desembarcou em Manaus ao lado do pai, Edmar, na Vila Olímpica, no Dom Pedro, zona centro-oeste, e foi levado de ambulância ao hospital da Fundação de Medicina Tropical Doutor Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) para receber atendimento especializado.

A tripulação da aeronave Águia 01 era composta pelos pilotos Major Cavalcante, Delegado Artur e o Sargento Rego, tendo ainda um médico do SAMU, Doutor Bernarde.

Atendimento – De acordo com o diretor clínico da FMT-HVD, o infectologista Antônio Magela, o adolescente está sendo assistido por especialistas da unidade, seu estado é estável, mas devido à gravidade do acidente, ainda é cedo para saber se terá algum comprometimento no membro atingido.

“A suspeita é de que tenha sido um Acidente Botrópico (causado por jararaca), apesar da família ter narrado que a picada seja de uma Pico de Jaca. A Pico de Jaca é a verdadeira Surucucu, que vive em floresta primária e densa e os acidentes com essa espécie costumam ser noturnos. Cerca de 97% dos acidentes na Amazônia são por serpentes do tipo Bothrops”, disse Magela.

Por precaução, segundo o médico, o paciente recebeu dois tipos de soro para neutralizar o veneno de ambas as serpentes (soro bivalente e o anti botrópico-laquético). Ainda segundo ele, o soro antiofídico só pode ser aplicado em ambiente hospitalar, por conta do risco anafilático. “O resgate de helicóptero foi importante, dada a distância em que estava. Isso pode fazer a diferença no sucesso do tratamento”.

Nos casos de mordidas desse tipo, a orientação do médico é manter a pessoa em posição confortável e buscar, o mais rápido possível, um ambiente hospitalar.

Confira o Vídeo