Implurb faz a demolição de toldos e coberturas abandonadas na Eduardo Ribeiro - Fato Amazônico

Implurb faz a demolição de toldos e coberturas abandonadas na Eduardo Ribeiro

O Instituto Municipal de Ordem Social e Planejamento Urbano (Implurb) começou a retirada de equipamentos das fachadas de imóveis abandonados ou fechados na avenida Eduardo Ribeiro, no Centro de Manaus. São imóveis cujos proprietários não foram localizados ou não atenderam o chamado do instituto para adequar seus mobiliários.

As ações na via fazem parte do projeto de revitalização e requalificação do Centro. No último fim de semana, além do Implurb, uma equipe da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) participou das primeiras intervenções na avenida Eduardo Ribeiro, no trecho próximo ao Relógio Municipal, fazendo a demolição de toldos, tubulações e estruturas de ferro para a fixação de lonas projetadas sobre o passeio público.

Um dos imóveis visitados pela equipe dos dois órgãos foi o de número 64 da via. Localizado no centro antigo, área tombada, o prédio estava fechado. Dele, foram removidos três toldos irregulares, que além de estarem sem autorização pelo patrimônio histórico, apresentavam estado precário de conservação, ocupando ainda 1/3 do logradouro público. “A medida foi tomada inclusive para resguardar a segurança dos pedestres que passavam no local”, explicou a procuradora autárquica do Implurb, em seu parecer pela demolição, Thalita Lopes Motta.

Outro estabelecimento que teve a cobertura demolida foi da antiga Galeria Baré, 50B, cujo processo é de 2012 e o proprietário já havia sido multado três vezes até o ano passado. Fechado este ano, a assessoria jurídica emitiu parecer para a retirada da cobertura e engenho publicitário da avenida.

Na mesma ação foram retiradas estruturas de ferro instaladas em frente a lojas na esquina da Eduardo Ribeiro com a Floriano Peixoto, usadas para fixação de lonas e descaracterizando a paisagem. Um outro toldo projetado sobre o passeio público, de uma loja em funcionamento, também foi retirado, mediante autorização do proprietário.

O diretor de Planejamento Urbano (DPLA), o arquiteto Laurent Troost, explicou que esta é a primeira vez que se promove a retirada de equipamentos diversos de fachadas inadequadas. Esta é apenas a primeira de muitas ações. “Estamos orientando os proprietários para que façam a manutenção regular das fachadas, evitando riscos aos pedestres, para que corrijam situações de vidraças e azulejos quebrados, para que façam a limpeza das mesmas e as adequações necessárias. Os condicionadores de ar, por exemplo, não podem estar no limite do passeio publico, assim como antenas, compressores de ar”. Uma terceira fase do projeto prevê a recomposição de fachadas.

Números

Até o momento, a Gerência de Patrimônio Histórico (GPH) atuou em 134 unidades na avenida Eduardo Ribeiro, aplicando 160 notificações, 98 multas e 32 produções extras, números que geraram 198 termos de comparecimento de interessados ao Implurb.