A importância dos exames de rastreio para o diagnóstico precoce do câncer - Fato Amazônico


A importância dos exames de rastreio para o diagnóstico precoce do câncer

A importância dos exames periódicos ou de rastreio do câncer, tem sido reforçada, de forma contínua no Estado, pela Liga Amazonense Contra o Câncer (Lacc). Eles ajudam a descartar suspeitas ou detectar precocemente lesões que podem indicar a presença silenciosa da doença. A entidade de cunho filantrópico, que também atua na promoção da prevenção às neoplasias malignas, tem como foco, os tipos mais incidentes na região. “Como a maioria dos cânceres só vem à tona em sua fase mais avançada, devemos considerar a realização anual de um ‘oncocheckup’, que inclui avaliações essenciais que podem salvar vidas, além de elevar as chances de cura do paciente”, destacou o presidente da instituição, mastologista Jesus Pinheiro.

O cirurgião oncológico Marco Antônio Ricci, parceiro da Lacc e médico da Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon) há 11 anos, explica que estão na mira das ações de rastreio, principalmente, os cânceres de mama, colo uterino, próstata, estômago e pele não melanoma, que figuram no topo da lista em número de diagnósticos, conforme o Instituto Nacional do Câncer (Inca), subordinado ao Ministério da Saúde. Juntos, eles somam cerca de 3.030 novos casos ao ano no Estado, aponta projeção mais recente do Governo Federal. É mais da metade do total de diagnósticos previstos para o Amazonas, que atualmente é de 5.270 ao ano.

A indicação dos exames, porém, deve obedecer às faixas etárias de risco e os critérios de análise, como o de hereditariedade, por exemplo, evitando, assim, que o excesso de pessoas sem indicação para as avaliações especializadas, dificulte o acesso aos serviços de saúde por quem realmente necessita delas, principalmente na rede pública.

De acordo com ele, no caso das mulheres, a realização de exames como o de mamografia e o Papanicolau (preventivo), podem levar a um diagnóstico precoce de alterações malignas ou benignas nas mamas e no colo uterino. Os cânceres nessas duas localizações  são considerados de alta incidência no Amazonas, além do de pele não melanoma. Os números são os seguintes, conforme a projeção do Inca: colo uterino, 680 casos/ano; mama, 440; pele não melanoma, 500.

“É importante explicar que as alterações diagnosticadas nos exames de rastreio podem, ou não, ser câncer. Após a detecção, um processo de investigação, com exames mais aprofundados, como por exemplo a biópsia, apontarão a natureza da lesão. Só a partir daí, poderá se afirmar se é ou não é maligna. Por isso, é importante que as pessoas não se desesperem e continuem a investigar. Nossa experiência na FCecon, que é a unidade de referência em cancerologia na região, mostra que um diagnóstico precoce eleva para até 90% as chances de cura do câncer, independente do tipo”, destacou.

Conforme a Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), as mulheres devem se submeter ao exame de mamografia, anualmente, a partir dos 40 anos, à exceção de mulheres com histórico na família, que devem iniciar o rastreio a partir dos 35 anos. O exame de Papanicolau é indicado por especialistas, em geral, a partir dos 25 anos, ou, a partir do início da vida sexual. Não detectadas alterações nos dois primeiros anos, ele deve ser feito a cada dois anos.

Homens

No caso dos homens, cuja maior incidência no Amazonas é a de câncer de próstata, há uma polêmica envolvendo entidades governamentais e de classe, sobre a eficácia do rastreio, uma vez que a doença tem como principal fator de risco, o envelhecimento da população masculina.

Contudo, o Ricci lembra que a Sociedade Brasileira de Urologia orienta que a população masculina procure um especialista e faça os exames de toque retal e de dosagem do PSA (sanguíneo), a partir dos 50 anos. A exceção se aplica a quem tem histórico na família ou é da raça negra. Esses, devem iniciar o rastreio a partir dos 45 anos.

Outro exame que, do ponto de vista oncológico, ajuda a detectar lesões iniciais, é a endoscopia digestiva. O câncer de estômago é o terceiro mais incidente no sexo masculino, perdendo apenas para o de próstata e o de pele não melanoma no Amazonas. “A endoscopia é indicada, para ambos os sexos, a partir dos 40 anos de idade, anualmente”, frisou.

Como a região Norte apresenta, anualmente, quantidade significativa de diagnósticos de câncer de pele não melanoma, em função de diversos fatores, como o clima, a indicação de especialistas é de consulta periódica, a partir dos 50 anos. Para pessoas cuja rotina diária inclui exposição diária à luz solar, ou para as que têm múltiplos sinais no corpo, indica-se a visita a um dermatologista desde cedo. O mesmo serve para quem tem histórico de doença na família. A presença de sinais incomuns em qualquer região do corpo, também merece atenção especial, informou o dermatologista da FCecon, Fábio Francesconi.

Vantagens

O cirurgião oncológico Marco Antônio Ricci destaca que, entre as vantagens de se descobrir precocemente um câncer, estão: a indicação, na maioria das vezes, de um tratamento menos invasivo; o aumento das chances de cura; viver com qualidade de vida após o tratamento oncológico e com o mínimo de sequelas e, por fim, uma recuperação mais rápida.

“A literatura em saúde, em especial a Oncology – Na Evidence-Basead Approach (Uma abordagem baseada em evidências), da editora Springer, trata amplamente do tema, em um de seus capítulos, que compila informações de pesquisas realizadas em todo o mundo. Lá, fica claro que, entre os objetivos propostos para o rastreio do câncer, está mostrar que as pessoas podem viver mais e melhor, e com qualidade de vida, se aderirem aos exames indicados. Isso faria com que elas detectassem a doença mais cedo, mesmo antes do aparecimento dos sinais e sintomas inerentes ao câncer, que só são notados em uma fase mais avançada  da doença”, destacou Ricci.

Exames sugeridos para o ‘oncocheckup’

Mulheres:

-25 anos ou a partir do início da vida sexual: Papanicolau;

-40 anos: Mamografia, transvaginal de rotina, endoscopia, ultrassonografia de abdome total, raio-x de tórax, hemograma, glicemia, colesterol (total e frações), função hepática e renal (ambos por análise sanguínea), urina tipo 1 e parasitológico de fezes;

– 50: Visitar um dermatologista.

Homens:

– 40 anos: Endoscopia digestiva;

– 50 anos: Toque retal, dosagem de PSA (sangue), colonoscopia – para pessoas sem histórico de câncer colorretal na família-, ultrassonografia de abdome total, raio-x de tórax, exames de sangue, urina tipo 1 e parasitológico de fezes, para investigar a presença de sangue oculto nas fezes; visitar um dermatologista.

*Marco Ricci destaca que, existem cânceres de origem genética, a exemplo do de mama, cuja ocorrência está relacionada a mutações nos genes BRCA-1 e 2. Atualmente, existem testes que podem apontar essas alterações e que são ofertados na rede privada. Um caso de repercussão nacional, porém incomum, foi o da atriz Angelina Jolie que, há alguns anos, passou por uma cirurgia de retirada, através de mastectomia, dos seios para se prevenir do câncer de mama. Ela alegou que tomou a decisão após especialistas estimarem em 87% o risco de ela desenvolver a doença.