Foto: Tvi24

A Itália segue em alerta pelas intensas chuvas que castigam o país há uma semana e que já deixaram pelo menos 15 mortos.

A região do Vêneto (nordeste) está em alerta vermelho e, embora Veneza já não esteja inundada como dias atrás, está previsto que nas próximas horas a maré volte a subir, segundo as estimativas do Centro de Previsões e Marés.

As previsões situam em 110 centímetros o nível da maré para as primeiras hora de amanhã, depois do recorde de 156 centímetros alcançados nos últimos dias.

O diretor de Proteção Civil da Itália, Angelo Borrelli; o presidente do Vêneto, Luca Zaia, e o coordenador da unidade de crise ativada pelo temporal, Gianpaolo Bottacin, inspecionarão amanhã a província de Belluno, uma das mais afetadas da região pelo mau tempo.

Estima-se que nesta província o temporal tenha danificado até 90 hectares de floresta, praticamente 40% de toda a área florestal.

“Estamos devastados; já previmos o fechamento de todas as escolas. Já pedi a intervenção da Proteção Civil no domingo, quando ainda existia uma situação de calma”, declarou hoje Zaia à emissora “Rai Rádio 1”.

As autoridades do Vêneto cifraram os danos em cerca de 1 bilhão de euros.

Além do Vêneto, seguem hoje em alerta laranja outras regiões da Itália como Lombardia, Toscana, Úmbria, Lazio, Campânia, Abruzos, Molise e Sicília.

Na capital da Sicília, Palermo, alguns carros ficaram bloqueados em passagens subterrâneos e em algumas ruas a água alcançou mais de meio metro de altura, enquanto em Roma estão fechadas algumas estações de metrô.

Além disso, nas últimas horas, junto com o mau tempo, voltou a nevar sobre Cortina, no Vale de Aosta e em Piemonte. (EFE)