Ivete Sangalo se emociona ao falar sobre apoio de famosos ao seu novo hit: "Me sinto privilegiada” - Fato Amazônico




Ivete Sangalo se emociona ao falar sobre apoio de famosos ao seu novo hit: “Me sinto privilegiada”

Se Ivete Sangalo precisasse ser definida por apenas uma palavra, o adjetivo “contagiante” seria o mais ideal. Venerada por fãs calorosos – só no Instagram, ela tem mais de 16 milhões de seguidores -, a baiana também conquistou o carinho de dezenas de famosos.

Gloria Maria, Angélica, Luciano Huck, Juliana Paes, Xuxa Meneghel, Paolla Oliveira e Larissa Manoela foram algumas estrelas que fizeram questão de compartilhar em suas redes sociais vídeos em que aparecem dançando À Vontade, novo hit da cantora, cujo o clipe, em apenas dois dias após seu lançamento, teve mais de duas milhões de visualizações.

“Tenho recebido o carinho de muitas pessoas, que me apoiam espontaneamente e que eu quero muito bem. Me sinto privilegiada”, se emocionou Ivete, que não sabe explicar o motivo de ser tão amada por pessoas de diferentes perfis. “Não sei o segredo, mas desde o começo da carreira sempre trato as pessoas e tudo que faço com muito amor e respeito.”

Ao lado de Wesley Safadão e sob direção de Giovanni Bianco, Ivete voltou aos anos 60, no estilo do filme Grease – Nos Tempos da Brilhantina, para gravar o clipe da música, que fala sobre o poder da dança em unir casais.

“É algo que acontece com todos os tipos de casais que possam existir. A minha primeira ideia foi baseada naquele momento em que a pessoa está na balada e só consegue chegar até o seu crush por meio da dança, quando se encontra com ele no meio do salão. O Safadão se dedicou muito e foi um parceiro de dança ideal. Não poderia ter um crush melhor do que ele para esse clipe”, explicou.

Além de Safadão, a cantora contou com a participação especial de seu filho Marcelo, de 7 anos, fruto de seu casamento com Daniel Cady, no vídeo da canção. O menino surpreendeu a mãe ao aparecer no camarim com a prima Maria, filha de Cynthia Sangalo, vestido com um figurino dos anos 60. “Ele e a prima apareceram no camarim vestidos a rigor. Não tinha como deixar eles de fora. No final, eles se divertiram muito. Ele amou e quando não estava em cena, ficava no set batendo a claquete com o diretor”, conta.

QUEM: Em meio a tantas músicas sobre sofrência, requebrado e empoderamento, você lançou mais um hit que fala de alegria e que pode ser curtido por toda a família. Se preocupa em fazer hits com essa energia?

IVETE SANGALO: A palavra preocupação não entra no meu trabalho. A música reflete a minha personalidade e faço a minha maneira, conforme a minha criatividade. Sou muito leve e tranquila. Apesar de adorar músicas de dor de cotovelo ou sobre amores não resolvidos, não sou apegada a esses sentimentos. Minhas músicas refletem a minha vida e essa energia da qual você falou flui.

QUEM: Você parece estar sempre à vontade mesmo, até diante de perguntas delicadas ou situações que poderiam ser constrangedoras. Sempre foi assim?

I.V.: Sempre fui à vontade assim. É muito hipocrisia a gente sentir constrangimento diante de algum assunto. Tudo pode ser discutido e ser abordado de forma positiva. Só quem tem preconceito, que tem que se vigiar para não falar bobagem. Quem não tem preconceito fica à vontade, tem essa liberdade.

QUEM: Mas não tem nada que te deixa desconfortável?

I.V.: O que me deixa desconfortável é o maltrato, o preconceito e a violência. Não deixo quieto e me posiciono mesmo, independente se a pessoa que está sofrendo é amiga. Também não gosto de gente mal-educada. Esses dias fui buscar meu filho na escola, virei uma curva e tive que frear com tudo para não bater. A mulher começou a fazer vários gestos e eu abaixei a janela e disse: “Querida, me perdoe”. Ela ficou constrangida, mas não desfez o rosto amarrado. Mas também a gente nunca sabe pelo o que a pessoa está passando…

QUEM: Falando no seu filho, de quem foi a ideia de colocar ele no clipe?

I.V.: Ele e a prima apareceram no camarim vestidos a rigor. Não tinha como deixar eles de fora. O Marcelo sempre vai comigo nas gravações e shows. Ele fica muito à vontade nesse meio. Ele é muito eu.

QUEM: Ele tem muita desenvoltura mesmo. Algumas vezes, canta com você no palco… Ele já pede para seguir carreira na música?

I.V.: Tudo que ele faz é natural e com leveza. Ele é exibido da própria natureza, mas não existe essa vontade de ser famoso. Às vezes, quando estou só com ele, pergunto se ele gosta de ter a mamãe exclusiva para ele e ele diz que sim, então explico o que é privacidade e falo que até quando eu puder, vou tentar preservar a privacidade dele. Digo que quando ele crescer, ele vai poder decidir o que vai querer ser.

QUEM: Você tem algum tipo de restrição se ele decidir seguir os seus passos?

I.V.: Ele gosta muito de música e toca bateria muito bem, é autodidata. Não sou contra crianças que já têm uma carreira, mas no caso dele, não quero fomentar e nem tirar o incentivo. Agora quero estimular os estudos dele, mas naturalmente qualquer coisa que ele escolher, vou apoiar.

QUEM: Agora falando de The Voice, você vai ser mais durona na versão adulta do que foi na versão Kids?

I.V.: Não serei diferente com os adultos. A gente tem que ter muita cautela quando fala de sonhos de crianças e de adultos. Não pode desestimular. Temos que colaborar. Vivo com isso todos os dias e entendo que uma crítica não pode ser levada como uma coisa definitiva. Quem não vence o programa, pode vencer na vida como cantor.

Fonte – Quem