Em dezembro do ano passado na guerra de facções, seis pessoas morreram após serem baleadas por criminosos no CSU do bairro Compensa, área comandada pela FDN (Foto Divulgação)
Compartilhe
  • 33
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    33
    Shares

O promotor de justiça, Mauro Roberto Bezerra, um dos entrevistados do Jornal da Globo, edição de terça-feira, 17, não precisou se especializar em segurança na Giuliani Security & Safety (GSS) para afirmar que a explosão do número de homicídios este ano em Manaus tem relação  direta com a guerra entre facções criminosas que disputam o tráfico de drogas em Manaus.

Em entrevista concedida ao repórter Alexandre Hisayasu, Mauro Roberto Bezerra foi enfático ao declarar que a guerra entre as facções rivais em Manaus interfere direto na segurança pública, na vida da sociedade e traz insegurança e traz medo à sociedade.

O próprio secretário de Segurança, coronel PM Anézio Brito de Paula, que, também, não se especializou em segurança na Giuliani Security & Safety (GSS) – um dos entrevistados repórter Alexandre Hisayasu -, em caminho oposto às informações oficiais do governo, admitiu que a origem das mortes violentas em Manaus está na disputa pelo tráfico de drogas na cidade.

“A fuga de 35 presos ligados à facção criminosa do Rio de Janeiro, em maio deste ano, é a principal causa de mortes violentas em Manaus”, declarou o secretário.

Em poucos minutos 2 minutos e 31 segundos, a reportagem do Jornal da Globo revelou que em Manaus, palco de uma guerra entre quadrilha do Rio de Janeiro e São Paulo e a temida Família do Norte (FDN), que de janeiro a maio deste ano, foram registrados 70 casos por mês.

Revelou, ainda, que somente no mês de junho um recorde de 103 homicídios engrossou a estatística do crime em Manaus.

Ainda de acordo com a reportagem nos 15 primeiros dias de junho, a polícia já contabiliza 50 assassinatos. É claro que nenhuma dessas informações são mostradas na propaganda oficial do governo que, despudoradamente, alardeia investimento no setor de segurança com redução de “encher os olhos” nos índices de violência no estado.

Em pouco mais de 2 minutos, Alexandre Hisayasu falou, também, sobre o assassinado, na Zona Sul, de Davson Rocha, 19 anos, morto com vários tiros; da morte, na Zona Norte, de dois ladrões; do tiroteio na zona oeste entre facções  que disputam o comando do tráfico de drogas no Amazonas e, o tiroteio contra policiais da especializada em homicídio no bairro da União, zona centro sul.


Compartilhe
  • 33
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    33
    Shares