Definida no dia 07 deste mês, a nova composição parlamentar do Legislativo Estadual, com a eleição de seus 24 membros, uma nova corrida, agora para a Presidência da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), começa a ser desenhada. A eleição interna será daqui a três meses, no dia 1º de fevereiro, mas as movimentações pelo cargo começaram.

Nos bastidores da política os burburinhos, as conversas no pé do ouvido, digamos assim, dão conta de que pelo menos três nomes já se colocam na linha de largada: Belarmino Lins (Belão), Serafim Corrêa (Sarafa) e o jovem Josué Neto.

Os mais antenados e atentos observadores, todavia, apostam que Belão não tem fôlego para seguir na maratona e que pode desistir antes mesmo da largada.

Com Belão fora da disputa, Neto e Sarafa são os únicos, por enquanto, posicionados na linha de largada. As apostas colocam Serafim Corrêa em vantagem em relação a Neto sobretudo por sua capacidade de bom estrategista.

No quesito consenso, entretanto, as pretensões de Serafim de chegar ao final da corrida, vitorioso, podem cair por terra, no vácuo e abrir precioso espaço ao disputante Neto. 

Apesar de arguto, participativo, presente à vida parlamentar, Serafim Corrêa é avaliado como de tendência panfletária, com forte capacidade de desagregar o discurso político.

Por essa perspectiva Sarafa pode perder espaço para Neto que, fortalecido, deve cruzar a linha de chegada sem estardalhaço – um aprendizado que herdou no avô paterno e do pai, ambos vitorioso na política local.

Afirmam os especialista que até janeiro muitas águas haverão de correr por debaixo da ponte, que não é hora de cantar vitória, mas que as possibilidades de chegar à Presidência da Aleam apontam na direção de Josué Neto por reunir maior capacidade de aglutinação em torno das mais diferentes correntes de pensamento.