O presidente da França, Emmanuel Macron, disse neste sábado que deve haver sanções “concretas” contra a Arábia Saudita pelo assassinato do jornalista Jamal Khashoggi, que aconteceu no último dia 2 no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

“Para mim, os fatos estão claros, mas temos que ir até o fim da investigação. É preciso haver sanções concretas”, declarou Macron em Istambul, onde participou de uma cúpula sobre a Síria junto com os líderes de Alemanha, Turquia e Rússia.

Antes da reunião, Macron se reuniu de forma bilateral com a chanceler alemã, Angela Merkel, com quem falou sobre o assassinato de Khashoggi.

Macron qualificou ontem de “demagogia” promover um embargo de armas à Arábia Saudita em reação ao assassinato de Khashoggi, como tinha pedido o Parlamento Europeu e defende Merkel, e hoje insistiu em realizar sanções “concretas”.

“(As sanções) não podem ser direcionadas para um ou outro setor. Devem ser sanções concretas. Nos corresponde como União Europeia (UE)”, considerou o presidente francês.

Merkel, por sua vez, afirmou que conversou com Macron sobre a decisão de Berlim de suspender o envio de armas à Arábia Saudita até que o caso seja esclarecido e prometeu que qualquer ação contra Riad em resposta ao caso Khashoggi será uma decisão comum da UE.

“Trabalharemos para conseguir uma posição comum em nível europeu e para garantir que nossa ação seja baseada em valores comuns da UE”, afirmou a chefe de governo da Alemanha. (EFE)