Mais de 28 mil pessoas visitaram os espaços culturais da SEC durante as férias de janeiro - Fato Amazônico


Mais de 28 mil pessoas visitaram os espaços culturais da SEC durante as férias de janeiro

Mais de 28 mil pessoas visitaram os espaços culturais da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) durante o mês de janeiro. Os dados são do Departamento de Centros Culturais da SEC, diretoria de Museus, Teatro Amazonas, Galeria do Largo e Biblioteca Pública do Amazonas.

Entre os dias  2 e 31 de janeiro, os Centros Culturais Palácio da Justiça, Palácio Rio Negro, Povos da Amazônia e Usina Chaminé; o Palacete Provincial, a Galeria do Largo, a Biblioteca Pública do Amazonas, o Museu Casa Eduardo Ribeiro, o Museu do Seringal e Teatro Amazonas receberam, juntos, 28.818 visitantes.

De acordo com o secretário de Cultura, Denilson Novo, os números refletem o trabalho de aproximação do público desenvolvido pela SEC nesta gestão.

“Todos os nossos esforços, desde o primeiro dia que chegamos, têm sido no sentido de popularizar e expandir o alcance das nossas ações e projetos. Estamos cumprindo à risca as orientações do governador Amazonino Mendes de potencializarmos resultados, utilizando como principais recursos a competência e o amor à causa pública”, afirma.

“Quando colhemos os primeiros frutos desse trabalho e constatamos a crescente adesão da população amazonense, percebemos que estamos no caminho certo para o desenvolvimento cultural, não apenas das nossas artes, mas também da consciência de uma nova política: mais humana, mais participativa e integrada às reais necessidades e anseios da nossa gente”.

Novos horários – Desde o início do mês, os Centros Culturais Palácio Rio Negro, Palácio da Justiça e Usina Chaminé, no Centro de Manaus, funcionam com atendimento aos visitantes das 13h às 17h, de segunda-feira a sábado, e das 11h às 15h, aos domingos. O Centro Cultural dos Povos da Amazônia, no Distrito Industrial, mantém o atendimento para visitantes das 8h às 17h, de segunda a sexta-feira.

O Palacete Provincial – que abriga a Pinacoteca do Estado e os museus de Numismática, Tiradentes, da Imagem e do Som (Misam) e de Arqueologia – funciona de domingo a domingo de 9h até 14h e o Teatro Amazonas agora funciona aos domingos e segundas-feiras, das 9h às 14h; e de terça-feira a sábado, de 9h até 17h.

Para o diretor dos Centros Culturais da SEC, Taciano Soares, o fato dos locais estarem abertos todos os dias é um fator influenciador para o crescimento de visitantes.

“Os dias de visitação e os horários em que estão abertos têm a ver com esse crescimento. Nós, juntamente com o Teatro Amazonas e os museus, abrimos todos os dias, e essa mudança contribuiu muito para o sucesso de visitações. Agora, as pessoas sabem que elas podem contar com esses espaços todos os dias”, comenta.

Visitas teatralizadas e Universo Geek – Para atrair a atenção do público, a aposta dos espaços foi investir em programações diferenciadas. Os museus da SEC contaram com visitas teatralizadas durante seus horários de funcionamento.

No dia 20 de janeiro, a primeira edição do “Universo Geek” levou mais de 6,5 mil amantes da cultura geek ao Palacete Provincial, na Praça Heliodoro Balbi.

Redes sociais – Durante todo o mês de janeiro, o público participou da campanha “Férias com Cultura” utilizando a hashtag #feriascomcultura na publicação de fotos e vídeos nas redes sociais. Diversos museus e espaços culturais também foram apresentados nas páginas da Secretaria no Facebook e no Instagram.

Espaços continuam abertos – Mesmo após as férias, os espaços culturais da Secretaria de Estado de Cultura continuarão abertos para visitações todos os dias. No Portal da Cultura (www.cultura.am.gov), você encontra informações sobre a programação e horários de funcionamento de cada espaço.

O secretário Denilson Novo afirma que a ação proporcionou a valorização da arte no estado.

“Os impactos do fortalecimento dos trabalhos que estamos realizando estão explícitos nos indicadores culturais que apontam para um horizonte de maior acesso aos bens e patrimônios públicos da nossa gente e, consequente, valorização dos nossos talentos, da nossa história e da nossa cultura amazonense. Ainda há muito a fazer, mas a cada passo realizado, sentimo-nos felizes e mais encorajados a seguir em frente”, pontua.