Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Muitos servidores não se preocupam com o futuro. Alguns, por exemplo, fazem empréstimos consignados, migram para a aposentadoria, mas os proventos não têm margem de desconto e isso se torna uma dor de cabeça. O alerta é da diretora da Manaus Previdência, Daniela Benayon, que durante a manhã de ontem (19/4), orientou os funcionários estatutários quanto às regras de aposentadoria e os projetos para os aposentados, na Secretaria Municipal de Administração, Planejamento e Gestão (Semad).

A ação foi direcionada aos servidores com aposentaria próxima ou em abono de permanência, além de agentes de recursos humanos das secretarias municipais. Daniela Benayon frisa que muitos servidores sonham com a aposentadoria, mas, após os primeiros anos, tendem à depressão. Por isso, é muito importante fazer planos para o futuro.

“Não quero ficar em casa vendo o tempo passar, tenho que transmitir conhecimento para outras pessoas que vêm depois de mim”. Aos 75 anos e mais de 50 anos de trabalho, a servidora municipal Marlise Pereira nem pensa em se aposentar.

Assim como Marlise, muitos servidores municipais não se preparam para a aposentadoria e, quando o momento chega, segundo a Manaus Previdência, muitas são as dúvidas e as surpresas, devido ao desconhecimento das regras previdenciárias municipais.

Planejamento

Aos 51 anos, a servidora Francisca Arirama ainda não sabe quantos anos faltam para se aposentar. “Estava muito desmotivada, mas tirei as dúvidas e estou tranquila. Agora, pelos meus cálculos, falta apenas um ano”.

Pensando nisso, Francisca já está se preparando. “Não quero me aposentar e ficar parada. Tenho muitos planos. Eu costuro e poderia ter uma renda fazendo o que gosto, estou me preparando para ter um sítio”, planeja.

A servidora sonhava em se aposentar com 45 anos, conforme a antiga legislação. Com as mudanças, o tempo mínimo de contribuição é de 35 anos. “Sei que meus rendimentos vão cair com a aposentadoria, mas já estou me preparando para ter uma renda extra e entrar na inativa sem empréstimos consignados, porque isso é uma bola de neve”, comenta.

Enquanto Francisca está preocupada em não levar as dívidas para a aposentadoria, o comportamento não tem sido uma regra entre os servidores municipais, segundo a diretora de Previdência.

“O servidor público, a partir do momento que entra, já deveria se preocupar com a sua aposentadoria. Infelizmente, não é o que temos hoje”, lamenta Daniela Benayon, destacando que, para disseminar uma cultura previdenciária entre os servidores, a Manaus Previdência está implantando um projeto itinerante, para levar informações aos servidores em seus locais de trabalho.

Ações integradas

“Ações pontuais para o presente e o futuro dos nossos servidores são fundamentais para a qualidade de vida e, consequentemente, para o futuro da cidade, conforme orienta o prefeito Arthur Virgílio Neto”, destaca a titular da Semad, Luiza Bessa Rebelo, que prevê, até o fim deste ano, a implantação de um projeto integrado de qualidade de vida em todos os órgãos da Prefeitura de Manaus.

O programa busca integrar ações da Semad, que gerencia a política de gestão de recursos humanos do município, da Manaus Previdência na área de atenção aos inativos, da Secretaria Municipal de Educação (Semed), que tem em sua estrutura quase a metade dos servidores do município, da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), que, além de extenso quadro, tem também projetos de excelência na área de atenção física e psicológica, e da Secretaria de Juventude, Esporte e Lazer (Semjel), visando atividades físicas.

Informações sobre o adoecimento dos servidores que vão subsidiar projetos do programa serão sistematizados, envolvendo Junta Médica do Município e o Serviço de Assistência à Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus (Manausmed). O sistema é baseado no Subsistema Integrado de Atenção à Saúde do Servidor (Siass), do governo federal.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •