O Estadão publicou em sua edição de sábado, 09, que o deputado Marcelo Ramos (PR) conversa todas as segundas e sextas-feiras, nos semáforos de Manaus, com o eleitor amazonense. Uma espécie de prestação de contas do mandato que lhe foi outorgado pelo povo nas eleições de outubro do ano passado.

Nada mais razoável, natural e elogiável a iniciativa do parlamentar de encarar o verdadeiro e legítimo dono do voto não só em períodos eleitorais, mas, também, durante o mandato.

Tomara que continue e que o inédito feito, ou seja, o comparecimento às paradas de ônibus, aos semáforos e outros locais públicos, não seja apenas fogo de palha de início de mandato.

Ah! que fique bem claro,  absolutamente claro, verdadeiramente claro, não é nenhum favor, mas obrigação, dá satisfação ao povo do mandato do mandato que a ele legitimamente pertence.

Que não se encafue nas penumbras dos salões refrigerados dos palácios, nas fantasias e nas benesses artificiosas do poder.

O povo não é bicho, animal feroz e nem exala a enxofre para ser evitado – ignorado fica melhor, não é mesmo?

Pois que volte e volte sempre aos semáforos, deputado Marcelo Ramos, e cumpra com a sua obrigação, independentemente de valer ou não uma nota elogiosa do Estadão.

Venha por compromisso e dever religioso.

Quem sabe assim, uns e outros – cínicos inveterados, mentirosos por convicção, capricho e falta e escrúpulo, e não são poucos – criem vergonha na cara, e digam ao povo o que fazem em Brasília, ou aqui mesmo, em Manaus, para fazer jus ao mandato.