Médico escolhe profissão por influência da Revista Vida e Saúde - Fato Amazônico

Médico escolhe profissão por influência da Revista Vida e Saúde

Pelotas, RS… [ASN] O médico porto-alegrense Fernando José Carpena Jaccoppet é coordenador da Unidade do Posto de Saúde Cerrito Alegre, bairro de Pelotas. De acordo com ele, foram as reportagens da Revista Vida e Saúde, quando o periódico ainda era em preto e branco, que o fizeram decidir pela Medicina. Em uma breve entrevista, Jaccoppet conta como foi seu contato com a revista e também com os adventistas.

ASN – Como foi que sua família teve acesso a Revista Vida e Saúde?

Fernando Jaccoppet – Foi há quase 50 anos. Não sei a origem da revista, não sei quem comprou ou se ganhamos. Sei que ela apareceu em minha casa. Foi uma das primeiras revistas que eu li. Me despertou muito a curiosidade. Achei interessante como ela abordava a saúde, uma forma muito compreensível, mas, mesmo que pareça controverso, achei bastante técnica e que poderia ser útil para quem lesse. Me chamou atenção.

ASN – Em que época foi? Quantos anos você tinha?

Fernando Jaccoppet – Eu estava começando a aprender a ler, no início da alfabetização. Gostava de ler gibi e quando vi aquela revista em casa peguei para ler. Eu tinha 6 anos, era 1964 ou 1965.

ASN – Como essa revista fez com que você tivesse mais interesse pela Medicina?

Fernando Jaccoppet – Eu achei interessante o assunto de saúde. Como criança, acredito que tudo o que chama atenção fica guardado. Eu gostava muito de ler gibi, mas assuntos sobre saúde começaram a me interessar. Posteriormente, outras enciclopédias sobre saúde começaram a fazer parte de minhas leituras, mas a primeira foi a Revista Vida e Saúde e a que me despertou o interesse pela saúde e Medicina.

ASN – Você lembra quais foram os ensinamentos dessa revista que mais lhe chamaram a atenção?

Fernando Jaccoppet – Faz muito tempo, não lembro de um assunto específico. Mas me lembro que eu nunca tinha ouvido falar de forma profunda sobre Medicina, embora acessível.

ASN – Como você procura passar para a comunidade aquilo que você aprendeu?

Fernando Jaccoppet – Eu vejo que a mensagem da Vida e Saúde talvez tenha ficado no meu subconsciente por muitos anos, porque sua mensagem tem a ver com a orientação que tenho seguido em minha vida. Acho que buscar terapias menos agressivas sempre será algo melhor para as pessoas.

ASN – Qual a sua ligação com os adventistas?

Fernando Jaccoppet – Tenho alguns amigos adventistas, em especial, um vizinho que me deu um livro certa vez, O Grande Conflito. O livro me despertou um novo interesse em estudar a Bíblia e já a li algumas vezes. Eu vejo que os adventistas estudam bastante e têm muito a ensinar para nós. Além disso, uma técnica de enfermagem que trabalhava no posto se casou com um adventista e sempre que nos encontramos conversamos bastante. Também conheço os produtos da Superbom. Eu vejo que a Igreja Adventista tem uma preocupação alimentar, o que é importante: mente sã, corpo são. Fica mais fácil adorar o Criador com a mente melhor.

ASN – Como você vê a importância de uma Igreja, assim como a adventista, em incentivar a prática de hábitos saudáveis?

Fernando Jaccoppet – Eu desconheço uma outra denominação que faça isso. E que maneira melhor do que fazer o bem para os outros do que condicionar a ter boa saúde?!

Neste ano, o médico foi presenteado com a assinatura da Revista Vida e Saúde e afirma que agora será um leitor assíduo. “Todos os livros que me foram presenteados pelos adventistas tem muito fundamento. Me explicam muitas coisas, são esclarecedores”, reforça Jaccoppet.

Ao final da entrevista, o médico foi informado que neste ano a Igreja está com uma forte campanha e que, inclusive, distribuirá 16 milhões de livros em oito países com orientações sobre saúde. A obra Viva com Esperança agora também faz parte da biblioteca do médico.