Veículos estrangeiros estão repercutindo o tuíte do presidente Jair Bolsonaro (PSL) com vídeo no qual dois homens aparecem em atos obscenos diante de uma multidão.

O vídeo, publicado nesta terça-feira, 5, na conta oficial de Bolsonaro no Twitter, é definido pelo jornal americano The New York Times como uma “revolta” do presidente brasileiro diante da cena. O jornal ressalta que o post tinha o objetivo de criticar o carnaval e que “muitos conservadores da maior nação latino-americana detestam” as festividades da época, vistas por eles como “pagãs”.

NYT e Bolsonaro
Em seu site oficial, ‘The New York Times’ repercute vídeo publicado por Bolsonaro no Twitter com atos obscenos Foto: Reprodução

Publicações britânicas, os jornais Daily Mail, The Independent e Daily Mirror enfatizaram o aspecto explícito do vídeo, no qual um homem aparece urinando no cabelo de outro. O Daily Mail lembrou que Bolsonaro foi alvo de protestos e zombaria de muitos foliões durante os blocos de carnaval, e citou o boneco gigante presente nos desfiles do carnaval de rua de Olinda (PE).

O The Independent mencionou a sequência dada à polêmica pelo próprio presidente ao publicar outro tuíte. “O que é golden shower?”, escreveu Bolsonaro. Segundo o jornal, “os brasileiros rapidamente condenaram o tuíte de Bolsonaro como algo que não representa o carnaval” e ressaltou que usuários do Twitter têm reportado o vídeo como sendo de conteúdo inapropriado.

Para o jornal Daily Mirror, que publicou o vídeo em destaque na reportagem, Bolsonaro se destaca por sua reputação “racista, sexista e homofóbica”. O veículo inglês relembrou outros momentos polêmicos de Bolsonaro quando o agora presidente ainda era deputado federal, como quando disse à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que não a estupraria por falta de mérito da parlamentar e de uma entrevista dada à revista Playboy em 2011 na qual Bolsonaro se disse “incapaz de amar um filho homossexual”.

Além dos jornais, grandes agências internacionais como Reuters e Associated Press também publicaram a respeito do tuíte polêmico do presidente. (Com informações de Estadão)