Morre Bellini, capitão da seleção brasileira de 1958 - Fato Amazônico

Morre Bellini, capitão da seleção brasileira de 1958

Agência Brasil – O ex-jogador e capitão da Seleção Brasileira de Futebol, o zagueiro Hilderado Luís Bellini, morreu ontem aos 83 anos, no final da tarde, em São Paulo. Bellini estava internado no Hospital Nove de Julho. Ele sofria de Alzheimer. Ele será enterrado nesta sexta-feira na cidade natal Itapira, no interior paulista, conforme informação divulgada pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Segundo a CBF, Bellini chegou à seleção brasileira jogando pelo Vasco, onde atuou por 11 anos. Passou pelo São Paulo e encerrou a carreira no Atlético Paranaense, em 1969. Foi capitão da seleção que conquistou o primeiro título da Copa do Mundo, em 1958, na Suécia.

O gesto de Bellini de erguer a taça de campeão, que ficou eternizado na memória dos brasileiros, surgiu por acaso. “Não pensei em erguer a taça, na verdade não sabia o que fazer com ela quando a recebi do rei Gustavo, da Suécia. Na cerimônia de entrega da Jules Rimet, a confusão era grande, havia muitos fotógrafos procurando uma melhor posição. Foi então que alguns deles, os mais baixinhos, começaram a gritar: ‘Bellini, levanta a taça, levanta, Bellini!’, já que não estavam conseguindo fotografar. Foi quando eu a ergui”, contou Bellini, segundo relato divulgado pela entidade brasileira de futebol.

Ele também disputou a Copa de 1962, em que a seleção brasileira se sagrou bicampeã.

O presidente da CBF, José Maria Marin, decretou luto de três dias e determinou um minuto de silêncio nas competições promovidas pela entidade.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, divulgou nota de pesar pela morte do bicampeão mundial. "O Brasil perdeu hoje um de seus grandes craques. Bellini, capitão da seleção na Copa do Mundo da Suécia, em 1958, foi exemplo de determinação. Na Copa da Suécia, o zagueiro mudou a história do esporte bretão quando imortalizou o gesto de levantar a taça do nosso primeiro título mundial", diz a nota, lembrando a estátua de Bellini em frente ao Estádio do Maracanã, em homenagem aos seus feitos no futebol.