José Melo voltou para a cadeia no último dia de 2017 enquanto sua esposa, Edilene Gomes, foi presa dia 4 deste mês
Compartilhe
  • 190
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    190
    Shares

O juiz Leão Aparecido Alves, convocado para o Tribunal Regional Federal da 1ª Região Federal de Brasília (TRF1), após a saída de férias da desembargadora Mônica Sifuentes, deverá nesta quinta-feira ou amanhã (19),  se manifestar a respeito do habeas corpus protocolado pela defesa do ex-governador preso José Melo, e de sua esposa, a ex-primeira-dama Edilene de Oliveira.
 Ontem (17), os autos voltaram do Ministério Público Federal que já emitiu seu parecer a respeito do habeas corpus, que já está nas mãos do juiz convocado, que decidirá se Melo e Edilene deixam a cadeia. Como os autos tramitam em segredo de justiça não é possível saber o teor do parecer da procuradoria.
Antes de sair de férias, a desembargadora Mônica Sifuentes, pediu à Justiça Federal do Amazonas informações sobre a prisão do ex-governador e da ex-primeira-dama, presos durante a Operação Estado de Emergência, terceira fase da Operação Maus Caminhos.
Depois das informações prestadas pela Justiça Federal do Amazonas, a desembargadora abriu vista dos autos a Procuradoria Regional da República.
A defesa de José Melo está confiante e acredita que até amanhã o novo relator do habeas corpus decida. 
O ex-governador José Melo, cassado por compra de votos, voltou para a cadeia no dia 31 de dezembro, depois de ter sido solto no dia 26, após uma audiência de custódia.
Melo foi preso a primeira vez no dia 21, na operação Estado de Emergência, acusado de receber propinas dos responsáveis por desviar dinheiro da Saúde no Amazonas.
A ex-primeira-dama, Edilene Gomes de Oliveira, foi presa no dia 4 deste mês, após determinação da juíza federal Jaiza Fraxe.

Compartilhe
  • 190
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    190
    Shares