Ídolo do São Paulo, Muricy Ramalho teceu algumas críticas à atual gestão do clube após mais um início de temporada nada animador. Em entrevista exclusiva à TV Gazeta, o ex-técnico tricolor revelou que, de certa maneira, se decepcionou com as tomadas de decisão do atual diretor executivo de futebol, Raí, que optou por demitir Diego Aguirre restando apenas cinco rodadas para o fim do Brasileirão e efetivar um treinador sem qualquer experiência no profissional.

“Na época, elogiei demais [a vinda de ex-jogadores para a diretoria do São Paulo], porque são jogadores que conhecem futebol, são do clube, têm história no clube. Elogiei demais. Para mim, foi a melhor coisa que fizeram. Mas, vai me desculpar, no final não ouviram o Ricardo Rocha, nem o Lugano. O Raí ficou meio que sozinho e, na minha opinião, fez igual aos outros. Estamos com problema? Manda embora. O que aconteceu nos últimos cinco jogos? Nada”, comentou Muricy, se referindo à reta final da temporada passada.

Promovido para ser auxiliar técnico do time profissional após o vice-campeonato da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em 2018, André Jardine recebeu a grande oportunidade da sua vida ao substituir Diego Aguirre, entretanto, não chegou a completar três meses à frente do Tricolor por conta do futebol ruim demonstrado em campo e a eliminação precoce na Pré-Libertadores para o Talleres. Ao todo, foram 19 jogos, com sete vitórias, dois empates e outras nove derrotas. O coordenador de futebol Ricardo Rocha, por sua vez, deixou o clube no fim do ano passado por questões pessoais.

Muricy Ramalho, que garantiu recentemente que em nenhum momento foi procurado para retornar ao clube em um cargo diretivo – poderia até mesmo substituir Ricardo Rocha na coordenação de futebol -, também foi bastante rigoroso em relação às contratações de Raí e companhia para a atual temporada. A falta de um estilo de jogo bem definido foi outra questão levantada pelo ídolo são-paulino.

“Às vezes, no desespero, na pressão, se contrata jogadores que não são para aquele lugar. E é caro, não é barato. Eles teriam que se reunir e fixar uma maneira de jogar, um pensamento, uma filosofia e pôr em prática isso, errar menos, dar chance para o treinador. Está certo que o Jardine não tinha experiência para dirigir um time desse tamanho. Não é problema de conhecimento, todos nós conhecemos um pouquinho de futebol, mas aquilo ali é um gigante, ali você tem que falar não para muita gente”, completou o ex-treinador tricampeão brasileiro com o São Paulo.

“O São Paulo ganhou tanto que achou que estava tudo certo. Acho que era o único time, porque sempre se falava que o São Paulo era o melhor, e era o melhor mesmo em termos de CT, tecnologia. Tudo que era melhor o São Paulo tinha. Eu acho que o São Paulo parou no tempo. Parou e os outros times vieram atropelando. Aí, quando você quer, já era. Tem que ter pensamentos novos, tem que mudar. Você tem que reconhecer. O problema do São Paulo é que tem que reconhecer que está mal, e eles não veem isso porque se apegam a negócio de mandar técnico embora”, concluiu.

(Gazeta Esportiva)