No desfile de pré-candidatos, David Almeida é o primeiro a colocar seu bloco na rua, mas ainda temos outros nomes - Fato Amazônico


No desfile de pré-candidatos, David Almeida é o primeiro a colocar seu bloco na rua, mas ainda temos outros nomes

A quatro meses das eleições para o Governo do Estado do Amazonas, vários pré-candidatos já pensam em colocar o bloco na rua sonhando em sentar na cadeira na sede do governo, localizada na Avenida Brasil Zona Oeste de Manaus.

Na próxima quinta-feira, dia 7 deste mês, o deputado David Almeida, presidente da Assembleia Legislativa do Estado, coloca literalmente seu bloco na rua, enquando o PSB, de Serafim Corrêa, lança sua pré-candidatura ao Governo do Estado com uma festa na Rua José Chavalier, no Morro da Liberdade, Zona Sul de Manaus.

Para a acirrada disputa, David Almeida conta como certo com o apoio de dois partidos – Avante e Podemos -, mas costura ainda alianças com PC do B, de Vanessa Grazziotin, o PT, de Sinésio Campos e José Ricardo e outros.

David já tem como quase certo de que o PP do empresário Francisco Garcia e Rebecca Garcia, que receberam seu apoio na eleição suplementar, deve marchar com o governador Amazonino Mendes.

Outros nomes

Ainda existe no desfile de nomes, Omar Aziz (PSD), o governador Amazonino Mendes (PDT), candidato a reeleição, o apresentador do Alô Amazonas, Wilson Lima (PDC) e outros. Juntos formam o retrato de um cenário de indefinição semelhante a outras disputas que ocorreram no Amazonas.

O pleito de outubro pode ter nas urnas representantes dos mais variados estilos. Além dos políticos tradicionais, estão se mobilizando apresentadores de TV, banqueiros, um líder sem-teto, um cabo bombeiro e até um cirurgião plástico exótico.

Partidos políticos têm até 15 de agosto para registrar as candidaturas de seus representantes e, com elas, os candidatos a governador precisam incluir entre os documentos um plano de governo.

Alguns dos pré-candidatos ao governo do Amazonas já têm definidos quem vai responder pela redação das principais propostas a serem apresentadas durante a campanha, que começa oficialmente em 16 de agosto.

Desde 2010, a lei 9.504/97 exige que todos os candidatos a chefe do Executivo protocolem suas propostas por escrito à Justiça Eleitoral.

A exigência não vale para quem concorre a deputado estadual e federal ou senador.

Os candidatos não são obrigados usar esse documento durante a campanha, mas esses textos em geral refletem a essência daquilo que o político vai apresentar a fim de obter o voto do eleitor.