No último dia de prazo da prestação de contas ao TCE, 20 prefeituras, 6 órgão da PMM e 12 do governo não se manifestaram - Fato Amazônico

No último dia de prazo da prestação de contas ao TCE, 20 prefeituras, 6 órgão da PMM e 12 do governo não se manifestaram

No último dia de prestação de contas do TCE, seis órgãos da prefeitura (administração direta e indireta), 12 do governo do estado (administração direta e indireta) e 20 prefeituras, não protocolizado as prestações na Divisão de Expedição de Documentos e Protocolo (Diepro).

Dentre as prefeituras que não prestaram contas com o TCE, está mais uma vez o município de Carauri, que pela quinta vez o prefeito Chico Costa, deverá prestar suas contas fora do prazo.

Na lista estão ainda Alvarães, Atalaia do Norte, Autazes, Eirunepé, Envira, Fonte Boa, Ipixuna, Japurá, Jutaí, Lábrea, Nova Olinda do Norte, Novo Airão, Pauani, São Gabriel da Cachoeira, Tapauá, Tefé, Uarani, Urucará e Urucurituba.

De acordo com o presidente do Tribunal de Contas do Estado do Amazonas, conselheiro Josué Filho, o seu alerta foi ouvido. Até as 17h47, 304 gestores (de um total de 367) haviam entregue a prestação de contas (Diepro), superando os anos anteriores.

Ano passado, por exemplo, 301 jurisdicionados prestaram contas dentro do prazo ao Tribunal, sendo que, neste momento, segundo o diretor da Diepro, embora os portões do TCE já estejam fechados, mais de dez gestores estão na fila para entregar a documentação ao TCE dentro do prazo.

O conselheiro Josué Filho, preocupado com a inadimplência, recomendou à Escola de Contas Públicas do TCE que iniciasse ainda no mês de fevereiro cursos para os gestores do Estado. Em uma maratona de mais de 20 dias, foram treinados os jurisdicionados dos órgãos previdenciários, os ligados à Água e Esgoto e as Câmaras Municipais. No dia 21 passado, Josué chegou a se reunir com 31 prefeitos e representantes de prefeituras e os alertou para a importância de entregar as prestações ao TCE, para fugir de multas e outras sanções.