Em 2018, Paulo Nobre, afastado da política do Palmeiras, criou uma conta no Twitter para falar sobre assuntos do clube. Desta vez, porém, a manifestação do ex-presidnete em seu perfil oficial deve repercutir nos bastidores do Palestra Itália, uma vez que ele declarou apoio a Genaro Marino, atual vice-presidente e candidato da oposição à eleição do próximo dia 24, contra o atual mandatário Mauricio Galiotte.

“Deixo claro: esse apoio politico à chapa 200 do Genaro não é condicionado à minha participação na gestão. Apoio por convergência de ideias e princípios! O presidente eleito tem que ter a liberdade de formar seu time de trabalho e não ficar pagando com cargos os apoios recebidos, “disse Nobre, que mesmo não participando ativamente da vida política do Verdão, esclareceu que não será candidato ao pleito.

“Caros palmeirenses, gostaria muito de agradecer todo carinho e reconhecimento que venho recebendo nos últimos dois anos, me agradecendo e pedindo minha volta, porém voltar a presidir o clube não faz mais parte dos meus planos e gostaria de contar com a compreensão de todos vocês, por favor!”.

“Jamais vou deixar de colaborar com o Palmeiras, sempre que um presidente que eu confie e respeite me peça ajuda, e, por mais que não queira conviver no meu dia a dia com as pessoas que militam na vida politica do clube, não deixarei de me manifestar em todas as situações que julgar necessário!”.

Mauricio Galiotte está no poder graças a Paulo Nobre tê-lo indiciado como sucessor. O atual presidente, foi candidato único ao final de 2016, quando Mustafá Contursi colaborou para costurar uma trégua com grupos opositores e eleger o atual mandatário.

Com pouco tempo no comando do clube, porém, Galiotte rompeu com Paulo Nobre por conta da eleição de Leila Pereira ao Conselho Deliberativo. Na ocasião, além do atual presidente, a empresária teve o apoio de Mustafá Contursi, que ajudou a comprovar no CD que seu título de sócia é datado de 1996, contrariando Nobre, que tentou impugnar a candidatura dela ao cargo alegando que o título era de 2015.

Durante certo período, Leila, Galiotte e Musfatá estiveram lado a lado no Palmeiras, mas um escândalo sobre Mustafá supostamente vender de forma irregular ingressos recebidos por Leila Pereira fez com que o grupo rachasse novamente e o ex-presidente se juntasse a Nobre contra a patrocinadora, que passou a fazer duras críticas ao antigo aliado.

“Torcedor Palmeirense, por favor não se contagie com a politica do clube, natural em época de eleição presidencial! Foco no Deca que está muito próximo! Porem é importante que os sócios do Palmeiras conheçam as propostas das duas chapas para votarem conscientes o futuro do Palmeiras!”, completou Nobre.

Nos bastidores do clube já se comenta que existe a possibilidade de o ex-mandatário voltar a se candidatar em 2021, já que ele, apoiado por Mustafá, é visto como o único capaz de vencer Leila Pereira, provável candidata. No dia 24, a empresária apoia Mauricio Galiotte contra seu vice, Genaro Marino.

(Gazeta Esportiva)