O prefeito de Coari Adail Pinheiro, resolveu se entregar a Justiça. Acompanhado de advogados, ele compareceu a Delegacia Geral de Polícia Civil, na Avenida Pedro Teixeira, Zona Cetro-Oeste de Manaus. De lá o chefe do executivo, acusado de comandar uma rede de pedofilia no município, deverá ser encaminhado ao Instituto Médico Legal para exame de corpo e delito e em seguida ao Comando de Policiamento Especializado, onde ficará preso, aguardando o jugalmento do habeas corpus.

O advogado e presidente da Ordem dos Advogados do Brasil-Seccional Amazonas, Alberto Simonetti Neto, afirmou já ingressou com pedido de habeas corpus. Para ele a prisão de Adail Piheiro, é ilegal e arbitrária.

Em setembro de 2009, Adail Pinheiro, foi preso porque havia mudado de Coari para Manaus sem comunicar à Justiça. Ficou preso no Comando de Policiamento Especializado, no Dom Pedro, e de acordo a época com denúncias do Ministério Público, gozou de algumas regalias como ar condicionado, frigobar e banheiro privativo. Mas desta vez de acordo com fontes do Fato Amazônico, o prefeito está em cela comum, sem privilégios e com horário de visita regrado.

Os que foram presos em Coari na manhã deste sábado do Aeroporto Eduardinho, foram para a Delegacia Geral onde prestaram depoimentos e em seguida os assessores e secretários de Adail Pinheiro foram submetidos ao exame de corpo de delito e encaminhados, as 13h30, ao Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat), localizado no quilômetro 8 da BR 174 (Manaus/Boa Vista).