Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A advogada Jessika Tais do Nascimento Martins, 27 anos, foi agredida, sábado, 19, na delegacia de Tefé (AM), pelo investigador da Polícia Civil, Norton Carvalho, conforme registro em Boletim e Ocorrência (BO) e gravação em vídeo por uma das câmaras de segurança captada no local do episódio.

De acordo com informações contidas no BO, Jessika acompanhava um cliente flagranteado e foi impedida por Norton Carvalho do livre cumprimento do exercício da profissão ao ser convidada a se retirar do local e que aguardasse na recepção da delegacia pela conclusão dos trabalhos da polícia.

Ao defender os seus legítimos direitos, Norton rebateu com fúria e atitude incompatíveis com o serviço público: “Vá procurar suas prerrogativas na puta que pariu”.

Parte das agressões sofridas pela advogada foram gravadas em vídeo. Na saída da delegacia, por exemplo, as imagens são reveladoras: Jessika foi praticamente arrastada por  Norton, que a segurava pelo braço, torcido para trás.

Em nota distribuída à imprensa, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM) emitiu repudia com veemência as agressões sofridas pela advogada e pede ao corregedor geral do Sistema de Segurança Pública medidas enérgicas contra o agressor Norton.

Em ofício endereçado ao delegado geral de Polícia Civil, o presidente da OAB, Marco Aurélio de Lima Choy pede o afastamento cautelar do investigador  e instauração de procedimento disciplinar com a consequente demissão do mesmo a bem do serviço público.

“O investigador praticou crimes de lesão corporal, injúria e abuso de autoridade contra a advogada Jéssica Thays. Os fatos são de extrema gravidade e conduzem a necessidade de afastamento cautelar do invetigador a bem do serviço público”, admite Choy.

Delegado vai apurar o caso

De acordo com delegado Mateus Moreira, diretor do Departamento de Polícia do Interior (DPI) da Polícia Civil do Amazonas, um delegado será designado, na próxima segunda-feira (29/5) à Delegacia Interativa de Polícia (DPI) de Tefé, município distante 523 quilômetros em linha reta da capital, para apurar o caso.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •