Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Ontem (22/05), os diversos órgãos ligados à segurança pública do Amazonas se reuniram no Centro Integrado de Comando e Controle (CICC) para alinhar os últimos pontos para a estruturação do Plano Tático Integrado de Fronteira. O plano é parte de uma política integrada para todo o Brasil, promovida pela Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), e coordenado no Estado pelo Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira e Divisas (GGIF), da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).

Participaram da reunião os representantes do GGIF, secretarias executivas-adjuntas de Planejamento e Gestão Integrada de Segurança (Seagi), de Operações (Seaop) e de Inteligência (Seai), vinculadas à SSP-AM, Polícia Militar (PM), Polícia Civil (PC), Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC), Polícia Federal (PF), Polícia Rodoviária Federal (PRF) e Corpo de Bombeiros.

O plano tático integrado está sendo desenvolvido nos 11 Estados que fazem fronteira com outros países: Amazonas, Acre, Amapá, Roraima, Rondônia, Pará, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O planejamento, que já era uma demanda antiga dos secretários de Segurança Pública estaduais, traçará as ações a serem tomadas até o fim deste ano e definirá a infraestrutura mínima para apoiar as operações e a metodologia a ser adotada.

Combate ao narcotráfico – No caso do Amazonas, que faz fronteira com Venezuela, Colômbia e Peru, o objetivo principal é o combate ao narcotráfico e aos roubos às comunidades ribeirinhas e embarcações (piratas). O Governo do Estado tem atuado no combate ao tráfico de drogas proveniente de países vizinhos.

Nesta terça, a reunião definiu o prazo para que os refinamentos do plano estejam prontos (próxima sexta-feira) e o Procedimento Operação Padrão Integrado (Popi), que é uma espécie de protocolo para as operações, entre outros pontos. Em temos de equipamentos, cada órgão apontará o que necessita para as operações, como embarcações blindadas, óculos de visão noturna, entre outros.

Plano Estratégico de Fronteiras – O plano integrado ocorre paralelo ao Plano Estratégico de Fronteiras do Estado do Amazonas, de acordo com o tenente-coronel Almir Cavalcante. “Embora a segurança na fronteira seja atribuição dos órgãos federais, uma vez que os ilícitos afetam a população do Amazonas, de modo geral, nós temos que combatê-los. Por isso o plano é integrado”, afirmou.

Até o fim do ano, estão previstas operações em municípios como São Gabriel da Cachoeira, Benjamin Constant, Atalaia do Norte e Tabatinga. “Nós pontuamos essas áreas, mas pode haver ações em outros municípios também, como Coari e Tefé, que são o que chamamos de fronteira estendida”, disse Cavalcante.

Recorde de apreensão de drogas – No ano passado, as apreensões de entorpecentes pelos órgãos estaduais de segurança atingiram o volume recorde da série histórica, iniciada em 2008, chegando a 16,4 toneladas, conforme dados do Sistema Integrado de Segurança Pública (Sisp).  Além de entorpecentes, também houve apreensão de produtos ligados ao tráfico de drogas, como 34 mil litros de combustíveis utilizados na produção de pasta-base.

A Secretaria de Segurança Pública tem adotado uma série de medidas para proteção das fronteiras com o fortalecimento da inteligência e das operações nos rios com foco no combate ao tráfico de drogas e armas. Neste ano, a SSP-AM criou o Gabinete de Gestão Integrada de Fronteira e Divisas, com a missão planejar a atuação integrada dos órgãos subordinados e vinculados ao Sistema de Segurança Pública Estadual e órgãos das esferas federal e municipal.


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •