PANORAMA DA ECONOMIA MUNDIAL - Fato Amazônico

PANORAMA DA ECONOMIA MUNDIAL

No mês de outubro passado o Fundo Monetário Internacional divulgou alguns indicadores importantes sobre a economia mundial relativos aos anos de 2017 e 2018. Essas publicações fazem parte de um conjunto de dados publicados anualmente pelo Fundo, que servem de balizamento para as principais economias do planeta. Muitos deles foram revistos pelo órgão, quando comparados com aqueles publicados no mês de abril do corrente ano no seu World Economic Outlook (Perspectivas para a economia mundial), tradicionalmente divulgado naquele mês em todos os anos. A grande notícia é que as perspectivas e os rumos da economia mundial são animadores.

Segundo as projeções, o crescimento global em 2017 deve fechar em 3,6%. 2018 vai um pouquinho além: algo em torno de 3,7%.  A notícia é um alento quando comparada com o crescimento de 2016 (3,2%) – o pior desempenho desde a crise financeira de 2007/2008 que atingiu várias economias avançadas, em especial, os EUA. Ou seja, a engrenagem dos principais sistemas econômicos no mundo começa a ganhar força e girar mais rapidamente.

A melhora da economia global já havia dado sinais a partir do segundo semestre de 2016. A grande notícia é que ela continuou no primeiro semestre de 2017 – de forma mais vigorosa até, com destaque para os mercados emergentes e em desenvolvimento, puxados, em parte, pela melhora nas economias avançadas. Portanto, a retomada do fôlego da economia brasileira não é um caso isolado. Ela acompanha uma tendência mundial.

De acordo com o FMI, os responsáveis pela onda de crescimento foram os países da zona do euro, o Japão (quem diria!?), as economias emergentes da Ásia (China, em especial), as economias emergentes da Europa e a Rússia. O crescimento de todos eles foi mais do que suficiente para aplacar o arrefecimento experimentado nas economias britânica e americana. Nada obstante, o crescimento ainda continua sendo tímido em boa parte dos países, muito embora a inflação esteja abaixo dos tetos fixados na maioria das economias avançadas.

Os países exportadores de matérias-primas – especialmente combustíveis – têm sofrido queda nos preços dos produtos exportados. Estão nessa condição muitos países da América Latina, da Comunidade dos Estados Independentes e da África Subsariana (parte da África situada ao sul do deserto do Saara).

Tomando por base os índices publicados pelo FMI no mês de abril último, os países da zona do euro, Japão e Canadá são os maiores responsáveis pela revisão para cima dos índices de crescimento anteriormente divulgados pelo Fundo. Em abril a perspectiva de crescimento era de 2 %. Agora, ela saltou para 2,2%. Por outro lado, houve revisão para baixo no crescimento do Reino Unido em 2017 e dos EUA, nos anos de  2017 e 2018. Em ambos, a revisão foi de cerca de 0,1%.

Também as perspectivas de crescimento das economias emergentes e em desenvolvimento foram revisadas para cima tanto em 2017 quanto 2018, em relação ao informe do FMI de abril do corrente ano. A revisão foi de 0,1%, graças à economia chinesa que em abril devia crescer 6,6% em 2017, mas que agora deve alcançar 6,8% (muito embora o crescimento chinês se deu de maneira mais vigorosa no primeiro semestre do que no segundo). A força do crescimento chinês para 2018 decorre em grande parte da combinação de uma política econômica expansiva em conjunto com a meta de dobrar o PIB chinês entre 2010 e 2020. Em 2010 o PIB foi de 6,3 trilhões de dólares. Há projeções de que ele alcance 13,8 trilhões de dólares em 2020 o que, ainda assim, ficaria abaixo do PIB americano que em 2016 fechou em 18,2 trilhões de dólares e que em 2020 alcançará tetos ainda superiores.

Também as economias emergentes da Europa acusaram crescimento graças à Turquia e outros países da região, além de economias de fora do continente europeu como Rússia, em 2017 e 2018 e Brasil, em 2017.

Em linhas gerais, prevalece um certo otimismo nos mercados financeiros com avanços verificados nos mercados de ações tanto nas economias avançadas quanto nos mercados emergentes. Espera-se uma política monetária mais moderada em comparação com as expectativas de março do corrente ano. As taxas de juros a longo prazo dos EUA baixaram em torno de 25 pontos básicos enquanto o dólar americano se depreciou em pouco mais de 5% em termos reais, em contraponto com o euro, que se apreciou em termos reais no mesmo período.

Um dado bastante positivo também se verifica nas taxas de inflação. Desde abril elas têm caído, reflexo da queda nos preços do petróleo observada nos últimos meses. Particularmente nas economias avançadas a inflação permanece atenuada graças  principalmente à debilidade nos aumentos salariais. O mais provável é que nesses países as taxas inflacionárias avancem gradualmente, mas dentro das metas de inflação estipuladas pelos bancos centrais. Nos mercados emergentes e em desenvolvimento as taxas de inflação  têm se comportado de forma moderada.

ALIPIO REIS FIRMO FILHO

Conselheiro Substituto – TCE/AM