“Lamento que a Rede Globo tenha decretado uma prisão no Amazonas”, foi o que disse o advogado Alberto Simonetti, em entrevista ao programa Manhã de Notícias da Rede Tiradentes, do jornalista Ronaldo Tiradentes, nesta segunda-feira, se referindo a prisão preventiva decretada pelo Tribunal de Justiça, contra seu cliente Adail Pinheiro.

De acordo com Simonetti, existem dois teatros montados no caso do prefeito de Coari, o da Rede Globo e do adversários políticos e apesar dos autos tramitarem em segredo de justiça, na sexta-feira o procurador geral, Francisco Cruz, fez uma coletiva para falar do caso e quando ocorreu o protocolo da denúncia no Tribunal, a imprensa, se referindo a Rede Globo, estava junto.

Simonetti disse que, o mesmo fato aconteceu quando o desembargador decretou a prisão preventiva. “A imprensa estava aguardando na sala de espera do gabinete”, disparou o defensor.

O advogado afirmou que a defesa se quer teve acesso aos autos, de acordo com ele o Ministério Público, negou que os defensores tivessem acesso as informações. “Somente sábado conseguimos ter acesso a uma parte e hoje teremos do restante”, acrescentou, afirmando que o primeiro habeas corpus impetrado no Superior Tribunal de Justiça foi para garantir a prisão especial de seu cliente, conforme está garantido no artigo 295 do Código de Processo Penal onde diz que “serão recolhidos a prisão especial os governadores, ministros, prefeitos, vereadores entre outros”, mas como o desembargador reviu sua decisão os autos em Brasília, perderam objeto.

Simonetti, garantiu que hoje mesmo estará ingressando com o habeas corpus no STJ, para agora sim conseguir o relaxamento da prisão preventiva de Adail Pinheiro. Ele disse acreditar que lá conseguirá reverter a decisão, mas se não tiver êxito recorrerá ao Supremo Tribunal Federal.

Com relação ao fato de ser presidente da Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Amazonas e ser advogado de defesa de Adail Pinheiro, Alberto Simonetti, disse que as criticas são para enfraquecer a defesa. “Não vou me acovardar”, concluiu.