Parintins recebe nesta segunda-feira, duas técnicas da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas (FVS) para apoiar na capacitação dos profissionais na identificação de possíveis casos da gripe H1N1. Entre as quatro mortes confirmadas no Estado do Amazonas, uma é oriunda do município. Parintins obteve em 2018 uma cobertura superior a 97% da vacina contra influenza.

O secretário municipal de Saúde, Clerton Rodrigues, está em Manaus participando de reunião do Conselho dos Secretários Municipais de Saúde (Cosems) onde a pauta também é a gripe H1N1.

Nesta manhã, aconteceu a primeira reunião na Secretaria de Saúde onde foi fechada a programação de capacitações com os profissionais. À tarde, no Centro do Idoso Pastor Lessa, acontece encontro com médicos, enfermeiros, técnicos, técnicos de vacina e outros que atuam na Atenção Básica.

Segundo a coordenadora de Vigilância em Saúde de Parintins, Elaine Pires, a identificação da suspeição de casos é fundamental para o tratamento da patologia. “A vítima fatal infelizmente engravidou após a campanha e ficou suscetível. Nós estamos buscando ver a situação viral no município em conjunto com a equipe que chegou. Com isso, elaboramos o plano de ação e estamos colocando todos nossos profissionais para trabalhar nessa suspeição”, disse.

Elaine disse que o tratamento para casos suspeitos será feito com o medicamento adequado que foi disponibilizado pelo Governo do Estado. A coordenadora de Vigilância em Saúde informou também que a nova campanha de vacinação contra influenza inicia em abril e será direcionada a grupos prioritários como grávidas, crianças, profissionais de saúde, entre outros.

A subsecretária de Saúde, Daizes Pimentel, acrescentou dizendo que nesta terça feira, às 10h da manhã será feito um grande encontro com instituições que lidam com público significativo para repasse de informações sobre a campanha. “Estamos trabalhando em conjunto com outras Instituições para evitar novos casos da doença, principalmente em crianças e idosos e que com isso  evitar  novos óbitos.”, destacou.