Partes do corpo “esquartejado” do jornalista saudita Jamal Khashoggi, que foi assassinado no consulado da Arábia Saudita em Istambul no dia 2 de outubro, foram encontradas, informou nesta terça-feira (23/10), a emissora britânica “Sky News”.

O canal, que não revelou suas fontes, acrescentou que o rosto de Khashoggi foi “desfigurado” por seus executores.

Os restos mortais, segundo a “Sky News”, foram achados no jardim da residência do cônsul saudita, Mohammed al Otaibi, que retornou a Riad em 16 de outubro, um dia antes que os peritos turcos fizessem buscas e inspeções no recinto.

A notícia da suposta descoberta vem à tona pouco depois que o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou hoje que a morte de Khashoggi foi um “assassinato selvagem e planejado” e prometeu que Ancara investigará a fundo o sucedido.

“O assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi foi premeditado”, declarou Erdogan em discurso no parlamento em Ancara.

“Está claro que esta operação não ocorreu por acaso, mas foi fruto de um planejamento. Temos fortes indícios neste sentido”, ressaltou o chefe de Estado.

Erdogan afirmou que a investigação das autoridades turcas continua e pediu que os 18 cidadãos detidos na Arábia Saudita por relação com o assassinato sejam julgados na Turquia.

O presidente também descreveu detalhes das investigações turcas que, até agora, tinham sido revelados na imprensa como vazamentos anônimos, enfatizando que se tratou de uma ação premeditada.

Erdogan confirmou que Khashoggi não deixou o consulado e que as investigações da polícia se estendem para uma floresta no noroeste de Istambul e para o município de Yalova, em uma província vizinha. (EFE)