O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, visitará oficialmente o Japão na próxima semana e analisará com o primeiro-ministro Shinzo Abe temas vinculados com a Coreia do Norte, segundo informou nesta quinta-feira (08/10), o porta-voz oficial japonês.

Pence chegará ao Japão a caminho de Singapura, onde participará de uma cúpula da Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), que será inaugurada na próxima terça-feira.

O ministro porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, confirmou a visita de Pence a Tóquio e a reunião que terá na terça-feira com Abe, antes que o vice-presidente americano siga nesse mesmo dia a Singapura.

“Será uma boa oportunidade para confirmar a relação entre os dois países em temas pendentes, como a Coreia do Norte”, afirmou Suga em sua entrevista coletiva diária.

Suga não detalhou que temas específicos seriam considerados, mas Tóquio segue muito de perto as gestões para se conseguir a desnuclearização da Coreia do Norte, uma iniciativa sobre qual se focou o governo de Donald Trump.

Além disso, o Japão está buscando apoios internacionais para exigir ao regime de Pyongyang que resolva o sequestro de pelo menos 17 japoneses cometidos por agentes secretos norte-coreanos entre 1977 e 1983.

O vice-presidente americano chegará a Tóquio dias depois de Washington anunciar o adiamento de uma reunião entre o secretário de Estado americano, Mike Pompeo, e uma delegação do regime de Pyongyang.

Nessa reunião estava previsto que ambas partes revisassem detalhes da segunda cúpula entre Trump e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, para a qual ainda não há data nem sede.

Por outra parte, perguntado sobre as recentes eleições legislativas americanas, Suga evitou fazer avaliações políticas, mas destacou a firmeza da aliança entre EUA e Japão.

Nesta quarta-feira, em entrevista coletiva para falar de diferentes temas, Trump declarou que o Japão “não trata os Estados Unidos com justiça” no que diz respeito às suas relações comerciais.

“Eles nos enviam milhões de automóveis com uma tarifa muito baixa, e eles não pegam nossos veículos”, acrescentou Trump, repetindo posições que expressou em ocasiões anteriores. (EFE)