O Santos já pensa em 2019 e começa a definir posições carentes e possíveis nomes para reforçar as posições no elenco comandado por Cuca.

E, de acordo com o presidente José Carlos Peres, o técnico quer brasileiros empregados no exterior. A ideia é evitar estrangeiros para não haver problemas na adaptação.

“Nosso sistema é profissional, eles farão o planejamento. Participarei quando estiver pronto. Vamos mostrar o que pensamos para 2019 e eles vão dizer se concordam. Cuca, Renato, (Sergio) Dimas e eu. Vão nos passar posição e quantidade. Aprovam, imediatamente conseguimos contatar quem pode jogar nessas posições. Já estão identificando, eles têm uma lista grande. Eu posso até ir atrás, mas vou fazer o que eles quiserem”, diz o presidente José Carlos Peres.

“Tem estrangeiro brasileiro, que é o que ele (Cuca) quer, tem um monte. Brasileiros no exterior. Ele não quer o estrangeiro estrangeiro, que acha que demora a adaptar. E tem razão… Mas há casos especiais, como o do Carlos Sánchez  diferente, sabíamos que colocaria a camisa e jogaria”, emenda.

Quando chegou ao Santos, no fim de julho, Cuca não quis Marco Ruben, do Rosario Central, mas indicou Nicolás Blandi, do San Lorenzo. O Peixe esteve muito perto de contratar Vagner Love, porém, foi Felippe Cardoso quem chegou depois da apresentação do treinador.

O presidente do Alvinegro chegou a dizer que o elenco precisa de um lateral-esquerdo, um volante, um meia e um centroavante. A definição das posições carentes ainda não foi feita pela comissão técnica. (Gazeta Esportiva)