Plinio Valério denuncia cemitério de carros no bairro da Paz - Fato Amazônico

Plinio Valério denuncia cemitério de carros no bairro da Paz

Um terreno que está servindo de ‘cemitério de carros’ da Prefeitura de Manaus, no bairro da Paz, zona Centro-Oeste da capital, foi alvo de denúncia do vereador Plínio Valério (PSDB), na manhã desta quarta-feira (30) na Câmara Municipal de Manaus (CMM). Por meio de fotografias da área, o vereador mostrou o estado de abandono em que se encontra a área, com o mato e o acúmulo de água empossada nas ferragens dos veículos.

De acordo com ele, o lugar fica bem no meio do bairro e serve de depósito de carros apreendidos pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), e poderia abrigar um complexo socioesportivo e cultural para usufruto dos moradores, caso a Prefeitura fizesse uma limpeza na área, retirando os carros velhos e abandonados, que estão servindo para propagação do mosquito da dengue e outras doenças.

O vereador argumentou que desde 2010 faz denúncias e indicações para acabar com o depósito de carros velhos. “Tentei, como deputado federal fazer com que o prefeito (Arthur Neto) mandasse limpar o local e transformá-lo em um complexo socioesportivo e cultural. Não me deram resposta, e hoje, como vereador, fiz uma indicação para transformar a área nesse complexo em benefício da comunidade”, disse o parlamentar.

Plínio Valério ressaltou que já foram registrados até mortes por dengue no bairro, sem contar as outras doenças que são propagadas.

O vereador ressaltou ainda que é amigo do prefeito e faz parte da base aliada na Câmara, mas não iria ficar calado diante dessa situação. “É uma coisa que atinge a população, contra o próprio povo”, disse o Valério, que se diz impotente diante das denúncias e indicação não atendidas.

Ele acredita que o prefeito não tenha feito nada, por culpa dos assessores que muitas vezes não repassam as informações. “Isso não tem dois, três ou quatro anos. Tem dez anos”, disse ele ao justificar a cobrança à atual gestão porque essa administração veio para corrigir as falhas dos outros e não para repetir os mesmos erros.

O vereador sugeriu que se não der para construir um complexo socioesportivo e cultura de imediato, a Prefeitura pode transformar a área em um campo de futebol até pensar o que fazer na área. “Mas alguma coisa tem que ser feita”, disse ele, ao afirmar que os carros e motos transformados em ferros-velhos devem ceder lugar para uma área em benefício da população.