Mateus Laranjeira da Silva

A Polícia Civil do Amazonas, representada pelo delegado Orlando Amaral, titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), falou, na manhã de ontem (26/10), durante coletiva de imprensa realizada às 9h30, no prédio da unidade policial, sobre o cumprimento de mandado de prisão preventiva por homicídio qualificado em nome de Mateus Laranjeira da Silva, 27.

De acordo com a autoridade policial, o rapaz é autor dos homicídios dos irmãos John Sales Mocambite e Tony Charles Mocambite. As mortes ocorreram no dia 9 de dezembro de 2016, em frente à casa das vítimas, situada na rua das Jaçanãs, Comunidade Alfredo Nascimento, bairro Cidade de Deus, zona norte da capital.

Na ocasião, os irmãos foram atingidos por disparos de arma de fogo. Tony morreu no local, enquanto John chegou a ser socorrido, mas veio a óbito dois dias depois, em uma unidade hospitalar na cidade. As vítimas tinham 26 e 32 anos, respectivamente.

“Efetuamos a prisão de Mateus no início da tarde do último domingo (21/10), por volta de meio-dia, no loteamento Fazendinha, bairro Cidade Deus. Conduzimos o infrator até a delegacia, onde ele confessou ter cometido os homicídios e alegou fazer parte de uma facção criminosa que atua na capital. Ele argumentou, ainda, que planejou a ação criminosa após ter sido ameaçado de morte pelos irmãos”, explicou Amaral.

O titular da DEHS destacou que os policiais civis da especializada constataram, também, que Mateus havia solicitado autorização de um traficante da área, identificado como Fagner Castro dos Santos, para executar os irmãos. O infrator, ainda, obteve ajuda de Fagner para conseguir a arma utilizada no caso. Fagner foi morto durante um roubo ocorrido em janeiro de 2017.

“Vale destacar que as investigações em torno das mortes dos irmãos foram concluídas e o caso está elucidado”, afirmou o delegado. Conforme Amaral, o mandado de prisão preventiva em nome de Mateus foi expedido no dia 17 de maio de 2017, pela 2ª Vara do Tribunal do Júri. Mateus foi indiciado por homicídio qualificado. Ao término dos procedimentos cabíveis na DEHS, o infrator será encaminhado ao Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM), onde irá ficar à disposição da Justiça.