Polícia Federal prendeu ontem à noite Gilson e Gilvan Tenharim (Filhos do cacique Ivan Tenharim), Adalmir Sena Tenharim (cacique da aldeia Taboca), João Bosco (cacique) e Simeão, acusados de sequestrarem e de matar três homens na Transamazônica, na reserva indígena Tenharim-Marmelos. As prisões ocorreram durante a grande operação força-tarefa, que contou com apoio de helicópteros e a presença do superintendente da PF de Rondônia, na região da aldeia Tracuá, na reserva indígena em Manicoré, no Sul do Amazonas.

De acordo com a polícia os corpos do Steff Pinheiro de Souza, do funcionário da Eletrobrás Amazonas Energia Aldeney Ribeiro Salvador e do representante comercial Luciano Ferreira Freire, 30, não foram encontrados, mas teriam sido jogados em um rio, pelos acusados que estavam revoltados com a morte cacique Ivan Tenharim.

Os três desapareceram no dia 16 de dezembro, quando viajavam de carro de Humaitá para Apuí, no Sul do Amazonas, pela rodovia Transamazônia.

Os índios, presos, foram encaminhados em um helicóptero para a Superintendência da Polícia Federal em Porto Velho, onde deverão ficar detidos temporariamente por 30 dias. Durante mais de um mês de buscas na aldeia, os policiais encontraram somente peças que podem ser do veículo utilizado por Luciano, Aldeney e Stef Pinheiro.

Desaparecimento

Luciano Freire, Aldeney Salvador e Stef Pinheiro foram vistos pela última vez no dia 16 de dezembro de 2013 na BR-230 (Transamazônica), nas proximidades da reserva Tenharim-Marmelo. O sumiço ocorreu no trecho que corta a reserva indígena Tenharim Marmelo, a cerca de 100 quilômetros de Humaitá.