O 3° Batalhão de Polícia Militar de Tefé (a 522 quilômetros de Manaus em linha reta) está a procura de um preso que fugiu na madrugada deste domingo (03/02) da Unidade Prisional do município. Ele e outros dois detentos quebraram a solda de uma das barras de ferro, por onde passam as refeições, e pularam o muro do presídio.

Eliton de Souza Silva está foragido. Ítalo Diego Martins da Costa e Welcson Charles Rodrigo foram recapturados em via pública pelos policiais militares ainda na madrugada. Os dois foram levados para o 5° Departamento Integrado de Polícia (DIP) e voltarão para a Unidade Prisional da cidade, após a conclusão dos trabalhos de reparo em todas as celas.

Novo presídio – Tefé vai ganhar um novo presídio ainda neste ano. As obras de construção da unidade prisional começaram e, até o momento, 35% dos trabalhos já foram executados. O valor da unidade prisional está orçada em R$ 7,9 milhões e é fruto do convênio entre o Governo do Amazonas e o Departamento Penitenciário Nacional (Depen). O novo presídio terá capacidade para 125 internos e ficará localizado no Km 04, da estrada da Agrovila.

Para o secretário de Estado de Administração Penitenciária (Seap), tenente-coronel Marcus Vinícius de Oliveira Almeida, é preciso mudar a realidade do sistema prisional do Amazonas. Na última quinta-feira (31/01), ele participou de uma reunião, em Brasília, com o ministro da Justiça, Sérgio Moro, para apresentar os problemas e as necessidades do Estado.

 
“O Governo Federal passou a ter uma visão de que o preso encarcerado, sem a capacidade de recuperação, se torna uma retroalimentação para o próprio crime. É preciso ter uma porta de saída e oferecer alternativa para o preso ser reincluído à sociedade”, analisou.

Força-tarefa – Almeida adiantou que a Seap criou uma força-tarefa, orientada pelo governador Wilson Lima, para apresentar uma pauta de trabalho específica nos próximos dias em Brasília. “O Governo do Amazonas visa buscar os investimentos necessários para a construção de mais presídios”, afirmou.

 
Atualmente, quatro obras estão sendo realizadas no interior. “Queremos construir seis unidades prisionais nos municípios. Isso vai dar capacidade de criarmos polos de prisão, que vão amenizar não o quantitativo de vagas, mas também de ressocializar o preso que está sob a tutela do Estado”, explicou.