Polícia prende mais um acusado de participar de assalto ao Banco do Brasil - Fato Amazônico




Polícia prende mais um acusado de participar de assalto ao Banco do Brasil

Policiais da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos de Defraudações, prenderam Daniel Guedes dos Santos, 26, o “Negão”, ontem à noite, quando se preparava para deixar Manaus, rumo a Fortaleza. Ele é apontado como integrante da quadrilha que assaltou no último dia 16, por volta das 14h20, uma agência do Banco do Brasil, localizada na rua Miranda Leão, no Centro da cidade.

Negão, foi preso por voltas das 23h no Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, com documento falsificado, em nome de Paulo José do Nascimento. Com ele os investigadores recuperaram cerca de R$ 14 mil, dinheiro do roubo do banco.

Em depoimento, Daniel confessou envolvimento no crime e revelou que recebeu R$ 20 mil pela participação no delito. Ele disse que chegou a Manaus três dias antes do roubo, a convite de Alexandre Pazon Felix, o “Pazon”, preso no último dia 17.

“Nosso serviço de inteligência identificou que ele iria viajar ontem. Estávamos no local de campana desde às 16h. No momento em que ele chegou ao lugar conseguimos prendê-lo”, destacou o delegado Orlando Amaral.

De acordo com o delegado, Daniel é foragido da Penitenciária Regional de Campina Grande Raimundo Asfora, conhecida como “ Presídio de Serrotão”, na Paraíba, onde cumpria pena por homicídio e tráfico de drogas.

Outras prisões

No dia 17 deste mês, Alexandre Pazon Felix, 53, conhecido como “Pazon”, e o filho de criação dele, Ivo Cristiano Pereira Oliveira, 28, foram presos em flagrante por volta das 22h, numa pizzaria situada na avenida Joaquim Nabuco, naquele bairro. Eles são integrantes da quadrilha que assaltou uma agência bancária localizada na rua Miranda Leão, no Centro da cidade, Zona Sul da capital.

Com eles foi recuperado R$ 50 mil em espécie, proveniente do assalto, quatro capacetes, uma sacola grande utilizada para armazenar o dinheiro roubado, além de apreendidos dois automóveis sendo um Voyage de cor preta e placas NRH– 3839 e um Corsa Classic de cor preta e placas NXD-2481, que, de acordo com o Delegado da DERFD, foram utilizados para dar fuga aos infratores.