Policiais civis e militares baseados no município de Itapiranga, localizado no região do baixo Amazonas, próximo a Itacoatiara, renunciaram por algumas horas os coletes à prova de bala, o crachá policial e o armamento e até retomarem suas atividades inerentes ao cargo policial aproveitaram para cuidar da rua que trabalham.

Com o auxílio dos detentos locais, os responsáveis pela segurança do município coordenaram a operação “tapa-buraco urgente” e surpreendem os moradores da cidade.

Com os meios disponíveis nos entulhos, como pedras e tijolos quebrados, por exemplo, os buracos da rua desapareceram ainda que temporariamente.

Por falta de equipamentos apropriados para a operação de tapa buraco, o  trabalho não foi lá muito fácil. E nem poderia ser com um carinho na mão, além de pá e marreta.

A situação urbana sanitária de Itapiranga não é nada confortável. A buraqueira, a falta de água potável, energia e remédios nos postos de saúde beira ao caos.

O carro de lixo há mais de um mês não passa na rua esburaca para a coleta.

“O mais incrível é que o prefeito em vez de cuidar da cidade mandou um representante ao local onde os detentos tapavam buraco para ameaçá-los”, testemunhou um morador que pediu para não ser identificado. “Eles fotografaram e disseram que iriam denunciar no Ministério Público que os detentos foram forçados a trabalhar”, completa.

A operação tapa-buraco urgente continua até que todos os buracos da rua deixem de existir.