O 34º Informe Epidemiológico de Monitoramento de Casos de Sarampo da Prefeitura de Manaus, divulgado segunda-feira, (29/10), pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), aponta que Manaus registrou, desde fevereiro, 8.315 casos notificados, sendo 1.427 confirmados, 489 descartados e 6.399 em investigação (aguardando resultado laboratorial).

Em comparação com os dados do 33º Informe, do dia 22/10, o novo boletim indica um acréscimo de 103 novos casos confirmados de sarampo, mas vale destacar que apenas 15 foram registrados nas últimas quatro semanas, sendo os demais casos de períodos anteriores que aguardavam resultado laboratorial. Também em comparação com o 33º Informe, das 98 novas notificações de sarampo, apenas 21 foram registradas na última semana analisada e as outras 77 estavam aguardando a inserção no sistema de monitoramento.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, reforça que os dados continuam a indicar diminuição no registro de novos casos suspeitos notificados, chegando a uma redução de 46,2% no período de 29 de julho a 20 de outubro, em comparação com os casos registrados no período de 6 de maio a 28 de julho. “A redução tem sido identificada desde o final de julho, quando teve início a segunda etapa do Plano de Contingência contra o Sarampo, com ações de varredura de casa em casa para vacinação, intensificação vacinal em pontos estratégicos e nas Unidades de Saúde. Agora é preciso manter a atenção reforçada nos grupos considerados mais suscetíveis”, informa Marcelo Magaldi.

É o caso, alerta o secretário, das crianças menores de um ano, que, no período de 7 a 20 de outubro, representaram 40,8% do total de 49 casos suspeitos de sarampo, sendo que o aumento do índice nessa faixa etária tem sido registrado nas últimas semanas.

Entre 29 de julho a 1º de setembro, foram 2.101 casos suspeitos notificados e, desse total, 14,5% foram registrados em menores de um ano. Já no período de 2 de setembro e 6 de outubro, Manaus registrou um número menor de casos suspeitos, com um total de 405 notificações, mas o índice entre crianças menores de um ano subiu para 22,5%.

“A vacina tríplice viral, que imuniza contra sarampo, rubéola e caxumba, é recomendada para a faixa etária de seis meses a 49 anos. Com isso, em primeiro lugar, é preciso que os pais levem os filhos que estão completando seis meses para se imunizar contra a doença ou eles irão continuar desprotegidos. Em segundo lugar, como a vacina não é recomendada para crianças menores de seis meses, a única forma de proteger esse público é a vacinação de todas as pessoas na faixa etária indicada para a vacina, principalmente as que convivem com as crianças. A família, pais, mães, tios, tias, primos, todos devem procurar uma sala de vacina para imunização”, reforça Marcelo Magaldi.

A Semsa já administrou 783.465 doses de vacina contra o sarampo este ano e está reforçando as ações para aumentar a cobertura vacinal, resgatando as pessoas que receberam a primeira dose, mas ainda não completaram o esquema vacinal e continuam suscetíveis.

De acordo com o gerente de Vigilância Epidemiológica da Semsa, Jair Pinheiro, são quase 4 mil crianças de dois a quatro anos, e 120 mil pessoas, entre crianças, adolescentes ou adultos de cinco a 29 anos, que foram vacinados com a primeira dose da tríplice viral nos meses de julho e agosto, e que devem ser resgatados para completar o esquema com a segunda dose.

“As ações de busca ativa de pessoas não vacinadas, que apresentam sintomas ou que ainda não receberam a segunda dose está sendo reforçada nas Unidades de Saúde e nas visitas domiciliares feitas pelas equipes da Estratégia Saúde da Família. A orientação é que todo paciente que procurar uma Unidade de Saúde deve ser encaminhado para avaliação da situação vacinal”, informa Jair Pinheiro.

A lista com as 183 salas de vacina do município de Manaus está disponível no site da Semsa (http://semsa.manaus.am.gov.br).