Prefeitura tem programação especial na Semana Municipal de Luta contra a Malária - Fato Amazônico


Prefeitura tem programação especial na Semana Municipal de Luta contra a Malária

Até a próxima sexta-feira, 27/4, a Prefeitura de Manaus realiza programação alusiva ao Dia Mundial de Luta contra a Malária, celebrado no dia 25/4. Todos os Distritos de Saúde (DISAs) vão realizar ações de promoção à saúde. Em 2018, de janeiro a março, foram registrados 2.419 casos de malária na capital.

As ações da Semana, realizada pela Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), incluem prevenção e controle da malária nos Distritos de Saúde em localidades com maior ocorrência da doença no município, em parceria com as escolas dessas localidades. Apesar dos esforços para seu controle, a malária continua sendo uma doença endêmica em Manaus.

“Temos a oportunidade de compartilhar informações com a sociedade civil, com engajamento no diálogo, na contribuição com ideias e eventos para mobilizar o mundo no combate à malária. Assim, os defensores e cidadãos em todo o mundo trabalham para aumentar a conscientização sobre a malária, como uma doença evitável e tratável, além de mobilizar ações para reduzir a imensa carga social e econômica que representa”, destacou o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

Magaldi ressaltou que, como a eliminação da malária está atrelada às mudanças de comportamentos de risco, a educação em saúde é instrumento primordial. “A inserção de práticas de educação na rotina dos escolares é uma alternativa para a construção de conhecimentos que estimulem práticas e atitudes preventivas nas comunidades, assim como orienta o prefeito Arthur Virgílio Neto”, afirmou Magaldi.

A programação inclui palestras sobre a exposição do ciclo biológico do vetor da malária, maquetes, atividades lúdicas e brincadeiras, distribuição de material educativo e orientação sobre ações de prevenção à malária. Além disso, será oferecido o diagnóstico da doença.

A data de 25 de abril foi instituída pelos Estados membros da Organização Mundial da Saúde (OMS), durante a Assembleia Mundial da Saúde, na 60ª sessão, em maio de 2007.

Área endêmica

A cidade de Manaus possui significativa receptividade entomológica e vulnerabilidade para o processo de transmissão da malária, tanto na área urbana como na área rural. Tal situação, aliada à conjuntura socioeconômica, em função da expansão e ocupação desordenada de áreas de mata, propicia sua disseminação e a elevação dos indicadores epidemiológicos de incidência, expondo a população ao risco de contrair a doença tanto em área urbana quanto em área rural.

Laboratório Distritais

A Semsa possui 17 laboratórios de referência para o diagnóstico da malária, que funcionam também nos finais de semana e feriados.

Distrito Norte: Hospital Delphina Aziz, SPA Platão Araújo e SPA Danilo Correia;

Distrito Oeste, Fundação Tropical e UPA Campo Sales;

Disa Leste: Chapot Preveau, SPA do Coroado, e duas bases operacionais, no Brasileirinho e João Paulo;

Distrito Sul: no Hospital 28 de Agosto, SPA Zona Sul, Hospital Samel, Hospital Check Up, Hospital Santa Julia, Hospital Adventista, Hospital Militar e Hospital da Aeronáutica;

Na zona Rural, existem 34 laboratórios, sendo 12 na área terrestre e 23 na área fluvial.

Sobre a Malária

A malária é causada por um parasita denominado Plasmodium, que é transmitido através das picadas de mosquitos do gênero Anopheles infectados. Os sintomas da malária incluem febre, dor de cabeça e vômitos e geralmente aparecem entre 10 e 15 dias após a picada do mosquito. Se não for tratada, a malária pode rapidamente tornar-se um risco de vida.  

As principais intervenções para controlar a malária incluem diagnóstico precoce e tratamento rápido com terapias medicamentosas combinadas, o uso de medidas de proteção, tais como telas nas portas e janelas, mosquiteiros impregnados em áreas consideradas de risco e transmissão, utilização de repelentes e roupas adequadas, além do controle químico através de pulverização residual com inseticida para controlar os mosquitos vetores.