Presidente da Apeam dispara contra governo e diz que foram usados na campanha de reeleição - Veja o Vídeo - Fato Amazônico

Presidente da Apeam dispara contra governo e diz que foram usados na campanha de reeleição – Veja o Vídeo

“Por conta da nossa luta no ano passado, 400 policiais respondem a processo disciplinar. Esses companheiros colocaram em risco suas carreiras, suas vidas, seu futuro. É por eles que estamos aqui e não temos direito de desistir", foi o desabafo do presidente da Associação dos Praças do Estado do Amazonas (Apeam), soldado Gerson Feitosa, em cima do carro de som na manhã desta terça-feira, na manifestação dos policiais militares contra a decisão do governador José Melo (PROS) que anunciou na última sexta-feira (24), que não vai cumprir a Lei dos Praças, cancelando mais de 2400 promoções.

Em um discurso, em tom de revolta contra a decisão do governador, Gerson disparou ainda: "Estamos amordaçados. Além da humilhação nos resta a prisão”, lembrando que no dia 28 de abril do ano passado os policiais militares cruzaram os braços e garantiu que caso o governo não reveja seus atos, eles (PMs) voltarão a paralisar a segurança de todo o estado. "Não recuaremos um passo".

O presidente disse que a Lei foi criada pelo próprio governo. “Construímos uma Lei que foi estruturada e pensada dentro do Palácio do Governo. Assinamos um ato de promoção que não existe e as associações de Praças foram feitas no mínimo de palhaças”, disparou Gerson, afirmando que a criação da Lei foi utilizada amplamente na campanha de reeleição do governador José Melo, para trazer os praças para o lado do governo.