Professor que discorda da administração de Alexandre da Carbrás é “deportado” de Parintins - Fato Amazônico

Professor que discorda da administração de Alexandre da Carbrás é “deportado” de Parintins

Em retaliação as manifestações do professor Jenner Reis Carneiro, que publicamente não concorda com a forma de administrar do prefeito de Parintins Alexandre da Carbrás (PSD), ele foi “deportado” pela Secretaria Municipal de Educação (Semed) que o transferiu da Escola Municipal Luz do Saber, no bairro Itaúna II, para a Escola São Marcos, na comunidade Boa Esperança do Caburi, bem distante do município.

O professo afirma, que apesar de integrar o Movimento Reage Parintins que tem sido fiscalizador das ações do chefe do executivo municipal, não usa o trabalho na sala de aula para expor seus ideais. Carneiro participa das reuniões, já esteve nas panfletagens e manifestações sempre com o rosto a mostra.

“Simplesmente me ligaram me mandaram comparecer no setor de lotação. Chegando lá uma professora de nome Oneide me entregou esse encaminhamento e me mandou passar no setor pessoal”, conta Jenner, afirmando que como educador se sente muito triste pelo fato do mais elementar direito da democracia não esta sendo respeitado.

“Logo pela secretaria de educação que devia preconizar a criticidade, o pluralismo de ideia e faz tudo ao contrário. Caso a SEMED não reveja sua posição no campo administrativo, vamos à justiça. Advogados já estão debruçados sobre o caso”, afirmou.

O professor explica também que tem filhos estudando na sede do município. Jenner também está matriculado num curso de pós-graduação. “Tenho casa aqui na cidade e de repente sem nenhuma explicação me mandam para o interior. Trabalhei 10 anos no interior já dei minha contribuição”, afirma.

Ao ser questionado se a ação o intimidava ele respondeu: “Pelo contrário me fortalece, pois demonstra que nossa luta é justa, é por nossa querida Parintins. Quem tem Deus e o povo ao seu lado não teme a prepotência e arrogância dos poderosos”, concluiu. A Secretaria Municipal de Educação (Semed) ainda não se pronunciou sobre o assunto. O movimento Reage Parintins também protestou contra a retaliação sofrida pelo professor.

fonte parintinsamazonas.com.br