Professores, agentes administrativos, serviços gerais, país de alunos e vereadores foram ontem (23) para as ruas de Nhamundá (a 375 quilômetros de Manaus) e se concentraram em frente do Fórum de Justiça Desembargador Carlos Alberto de Aguiar Corrêa protestar contra os atos do prefeito Nenê Machado, que está sendo acusado pela categoria de perseguir educadores promovendo transferências de localidade nos quadro de lotação. Os professores que foram transferidos não teriam votado na reeleição do prefeito.

Empunhando cartazes que exibiam a indignação sobre a transferência dos docentes pela Prefeitura de Nhamundá os manifestantes percorreram várias ruas central do município antes de parar em frente fórum de justiça onde os professores expuseram os motivos da não aceitação da medida da Secretaria Municipal de Educação.

De acordo com a presidente do sindicato, Eliana Duque, foram transferidos mais de 30 professores, o que é considerado um número alto de mudanças. Ela afirma que "o objetivo dessa manifestação é reivindicar, fazendo com que esses professores retornem à sua base local".

Eliana conta que foi procurada pelos docentes que afirmaram receber a portaria de transferência sem serem consultados e que não conseguiram falar com o secretário municipal de educação, Neto Carvalho.

O professor João Batista Neves, trabalhava há 20 anos na comunidade São Antônio do Aduacá, juntamente com a esposa, onde construíram residência e vínculo familiar. Ele e a mulher foram transferidos para a comunidade Guarabi.

"Essa mudança vai afetar muito a questão econômica e até do próprio trabalho. Tem que se deslocar muito cedo para outro local, depois de eu ter casa. É realmente muito difícil pra nós", crítica.

Vereadores

Vereadores da Câmara de Nhamundá acompanharam a manifestação e mostraram apoio ao movimento dos professores.

"Não estão fazendo uma manifestação política, mas sim reivindicando os direitos dos professores. Eu acho injusto eles serem deslocados de suas próprias comunidades, de onde nasceram e dão aula há mais de até 20 anos, para serem remanejados para comunidades distantes", disse o vereador Ivan Paulain.

O vereador Maurinho Nogueira (PDT) acusa o executivo de perseguição política. "Durante os últimos 4 anos não foi mudado nenhum professor, depois dessa eleição todos os professores que foram contra o atual prefeito estão sendo transferidos. A gente acredita que seja perseguição política", dispara.

Acompanhados pelos vereadores, o sindicato entregou documento ao Ministério Público para que possa intervir e anular as portarias de transferências dos professores.

A reportagem tentou contato com o secretário de educação de Nhamundá, Neto Carvalho, para dar explicações sobre as transferências dos profissionais, mas o mesmo não foi encontrado na secretaria e nem atendeu as ligações telefônicas efetuadas para o celular dele XXXXX…9233.

Fato Amazônico e De Amazônia