Programa Caravana da Cidadania desarticula ação de traficantes na zona Sul - Fato Amazônico

Programa Caravana da Cidadania desarticula ação de traficantes na zona Sul

Durante quase um ano de atividades, o programa Caravana da Cidadania nas Escolas e Comunidades, coordenado pela Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), conseguiu desarticular a atuação de traficantes que tentavam aliciar crianças e adolescentes para consumo e o tráfico de drogas na zona Sul de Manaus. Pelo menos 45 suspeitos foram presos.

A informação foi divulgada pelo secretário de Segurança Pública, coronel PM Paulo Roberto Vital, nesta quinta-feira (20). Ele destaca que a solenidade de encerramento das atividades do programa na zona Sul será realizada no próximo dia 27, no CETI Gilberto Mestrinho, no bairro Educandos.

Vital informa que apesar da finalidade principal do programa ser preventiva, o programa atuou forte na repressão do tráfico nas proximidades das escolas, por meio do programa Ronda no Bairro, e ainda de policiais civis que atuam em investigações de inteligência.

Segundo o secretário, as ações repressivas do programa resultaram na prisão de 33 pessoas e na apreensão de 12 adolescentes suspeitos de envolvimento em crimes nas proximidades de escolas.

Do total de prisões, a maioria (56%) ocorreu na zona Sul, seguida pelas zonas Norte (31%), Leste (8%) e Oeste (5%). “A maior parte dos crimes está relacionada ao tráfico de drogas e depois furto. Em alguns casos, a Força-Tarefa da SSP conseguiu tirar de circulação pessoas que aliciavam os estudantes para o tráfico”, disse Vital.

Para o secretário, por meio do programa, a SSP tem cumprido seu papel de atuar na prevenção da violência. “Com essas ações e debates sobre a violência dentro das escolas, estamos conscientizando esses jovens sobre os crimes que eles podem ser aliciados”, disse.

Zona Sul

Segundo o coordenador do programa, secretário-executivo-adjunto da SSP, delegado Francisco Sobrinho, nas 35 escolas da zona Sul, atingidas na primeira fase do programa, 21 mil alunos foram atendidos.

Os estudantes receberam orientações sobre exploração sexual, prática de bullying, malefícios do uso de drogas, violência doméstica e sexual, tráfico de pessoas, Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e outros temas relacionados. "Nosso trabalho também foi no sentido de

chamar a atenção dos pais para a vida dos filhos. As famílias precisam participar e não apenas cobrar ações do poder público", disse.

Sobrinho informa que a próxima etapa do programa será realizada na zona Leste. A previsão é atender pelo menos80 escolas.