Promotora eleitoral pede arquivamento de inquérito federal contra Amazonino por distribuição de gasolina nas eleições de 2008 - Fato Amazônico

Promotora eleitoral pede arquivamento de inquérito federal contra Amazonino por distribuição de gasolina nas eleições de 2008

O ex-prefeito de Manaus Amazonino Mendes deverá em poucos dias se livrar de mais uma ação na Justiça Eleitoral, caso a juíza da Maria do Perpétuo Socorro da Silva Menezes, da 68ª Zona Eleitoral, acate o parecer da promotora Lilian Maria Pires Stone, que pediu o arquivamento de inquérito Policial Federal instaurado para apurar possível ocorrência de corrupção eleitoral nas eleições de 2008 contra o ex-governador.

Na campanha de 2008, Amazonino e seu vice, Carlos Souza, foram acusados de distribuir vale-combustível no posto Recopel-DNP, onde agentes da Polícia Federal, realizaram o flagrante. Um homem identificado como “Pastor Melo” seria o coordenador da distribuição e como de acordo com parecer da promotora ele faleceu não existe nos autos elementos que associem o candidato (Amazonino) a distribuição na época e como quem poderia esclarecer morreu a representante do MP opinou pelo arquivamento do inquérito.

Amazonino e Carlos Souza chegaram a serem cassados pela juíza presidente daquele pleito, Maria Eunice Torres, mas foram mantidos nos cargos por decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas.

Depois de perder a batalha em Manaus o MPE recorreu ao TSE e lá em abril de 2011 o prefeito Amazonino Mendes foi absolvido pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE), por cinco votos a um, no processo de cassação. Ele foi acusado de compra de votos por distribuir combustível às vésperas das eleições de 2008.

Veja o Parecer