Compartilhe
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share

Em pronunciamento ontem (27), no plenário da Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), o deputado Sabá Reis (PR), voltou a apontar, o que considera ‘arbitrariedades’ cometidas pelo governador Amazonino Mendes, entre as quais as emendas impositivas aprovadas pelos deputados estaduais no fim do ano passado para serem executadas no Orçamento de 2018, que foram rejeitadas pelo governador.

Sabá Reis considera um absurdo o argumento do governo ao afirmar que as emendas impositivas são um equívoco e que são atribuições do Executivo que o Legislativo estaria querendo usurpar. “Não somos nós quem vai executar, a gente só indica, quem executa é o governo”, frisou.

O deputado deu como exemplo a inauguração de uma escola de seis salas de aula no Distrito Enseada, município de Itapiranga, no baixo Amazonas, produto de emendas do deputado federal Atila Lins (PP). “O atila é campeão de indicação de emendas de Unidade Básica de Saúde (UBS), assim como outros deputados federais e senadores”.

Projetos barrados

O deputado elencou uma série de projetos de leis apresentados pelos deputados estaduais que foram vetados pelo governador Amazonino, a exemplo projeto que dá o nome de Elias Assayag a um ginásio esportivo de Parintins, de autoria de Sabá Reis. “Na quinta-feira vai jantar na casa da família em Parintins”, disse.

O mesmo aconteceu com o projeto de lei que torna imaterial na cultura do Estado do Amazonas o concurso Miss Amazonas. “Ele é contra a propositura, também de minha autoria, no entanto, quando a Miss Amazonas se tornou Miss Brasil e voltou para Manaus ele correu para recebê-la e fazer fotos com ela”, frisou.


Compartilhe
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    1
    Share