Mais uma polêmica envolvendo o nome do candidato a governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), veio à tona, nesta quarta-feira, 19. Ele deve ser investigado pelo Ministério Público de Contas (MPC), por ter sido funcionário fantasma na Prefeitura de Manaus, em 2009, acusação feita pelo deputado estadual Sabá Reis (PR).

A denúncia será protocolada pelo parlamentar na próxima semana, cobrando o ressarcimento dos mais de R$ 24 mil pagos a ele pelo poder público, quando ele estava nomeado como assessor II, no Gabinete Civil, na época em que o prefeito era o atual governador, Amazonino Mendes (PDT).

Reis também quer que Wilson seja investigado pela Assembleia Legislativa do Amazonas, por conta das ameaças feitas a Ana Sara Oliveira da Silva, 21, com quem, segundo ela própria, o jornalista teve relações sexuais, em 2012, quando ela tinha apenas 14 anos.

No início da semana, o jornal Diário do Amazonas noticiou que Ana Sara buscaria apoio no Ministério Público do Estado (MP), por se sentir ameaçada. A denúncia do deputado foi registrada na mesa diretora da Aleam.

Ele disse que o tratamento dado à questão relacionando a jovem e o apresentador do Alô Amazonas, da TV A Crítica, da Rede Calderaro de Comunicação, deve ser o mesmo dispensado às denúncias contra o ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro. Ele foi condenado por exploração sexual de menores e por favorecimento à prostituição.