Uma orquestração comandada pelo senador Omar Aziz (PSD) com apoio do deputado federal Silas Câmara (PRB) ameaçava desde fevereiro o cargo de Rebecca Garcia, nomeada em outubro de 2015 para assumir o comando da Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa); ainda na gestão de Dilma Rousseff (PT). Aproveitando um racha no núcleo do PMDB com o presidente Michel Temer, os parlamentares afinaram a saída do cargo da indicada pelo senador Eduardo Braga (PMDB).

Omar, emplaca como superintendente o engenheiro e advogado Appio da Silva Tolentino, que fez parte da administração de Aziz, como subsecretário da Seplan.

Silas Câmara emplacou dois nomes Bruno Monteiro Lobato, para Superintendente Adjunto de Operações da Suframa e a advogada Paula Andrea Kanzler Soares, para a Superintendência Adjunta de Projetos Especiais.

A advogada Paula Andrea, que chega a Suframa com as bênçãos de Silas, é esposa do coronel da Polícia Militar, Amadeu Soares, que foi seu vice, na disputa para a Prefeitura de Manaus, ano passado.

Silas tentava emplacar na vaga de Rebecca, Wenderson de Souza Monteiro. O jovem, que veio de Brasília para Manaus, hoje é superintendente da Fundação Nacional de Saúde no Amazonas, onde deixaria o cargo para ir para a Suframa, mas de acordo com a fonte ele abriu mão de preferiu permanecer na Funasa.

A ida de Wenderson de Souza teria sido acertado em dezembro do ano passado quando o ministro Marcos Pereira, da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (Mdic), esteve Manaus, onde participou da 277ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS), mas não deu certo.