Manaus – A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Amazonas (FCecon) deve receber verba federal oriunda de emendas parlamentares a partir do ano de 2019. O anúncio foi feito pelo deputado federal Marcelo Ramos (PR) em visita à unidade de saúde na última segunda-feira (11/02), a convite do vereador Fred Mota (PR) e do diretor da unidade, Gerson Mourão.

Durante o grande expediente da Câmara Municipal de Manaus (CMM) nesta terça-feira (12/02), Fred Mota afirmou que pediu a visita do colega de partido à Fundação porque conhece a situação dos pacientes e acompanhantes na unidade de saúde.

“Tenho conhecimento de causa porque já tive parentes que já ficaram internados no Cecon e alguns até faleceram, infelizmente. Tudo isso por conta de uma má gestão que se abateu durante anos sobre a saúde, mas a nossa esperança é que a partir desse ano, a situação mude”, salientou.

Mota ainda destacou que o deputado Marcelo Ramos destinará emendas principalmente ao setor de Patologia, que é responsável pelos exames de biópsia. “Ele me disse que esse, hoje, é um dos problemas principais, porque é na biópsia que se define qual o estágio do câncer, como ele está e qual deve ser o tratamento. Em resumo: divide a vida e a morte”, frisou.

O vereador sublinhou o vice-governador e secretário de Saúde do Estado, Carlos Almeida, se reuniu com sindicatos de médicos também na segunda-feira, e que agora a situação da saúde estadual deve melhorar. “Parece que agora as coisas vão começar a engrenar, e que os atendimentos devem retornar com toda a plenitude possível”.

Atenção básica à saúde

Durante o pronunciamento ao Parlamento, Fred Mota ainda salientou que apresentou indicação à Prefeitura de Manaus para reforma da Unidade Básica de Saúde (UBS) José Figliuolo, localizada no conjunto residencial Viver Melhor, bairro Lago Azul, Zona Norte da capital. Segundo o vereador, o número de habitantes superou e muito as expectativas habitacionais, razão pela qual é preciso ampliar também o atendimento em saúde.

“Ali foram construídos apartamentos para 15 mil pessoas, mas temos 75 mil pessoas vivendo em torno do conjunto. Aquela UBS, da forma como está, não suporta mais o atendimento daquelas pessoas, então eu conversei com o secretário Marcelo Magaldi e o prefeito Arthur Neto para que, por meio dessa ampliação, possamos dar um passo na solução dos problemas de saúde daquela comunidade”, completou.