A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) iniciou o projeto de manutenção no Centro de Detenção Provisória Feminino (CDPF), na manhã desta quinta-feira (28/2). O objetivo do projeto é promover serviços e trabalhos utilizando a mão de obra das internas, baseado na Lei de Execução Penal (LEP).

Atualmente, são 10 internas exercendo variadas funções na unidade, cumprindo tarefas de serviços gerais, biblioteca, manutenção, costura e apoio em demais necessidades e projetos da unidade. A carga horária de trabalho acontece de segunda a sexta-feira, não havendo remuneração financeira.

De acordo com a diretora da unidade, tenente Maria do Socorro Freitas, há uma expectativa de poder aumentar o número de participantes no decorrer das ações devido à receptividade do projeto. “É uma mão de via dupla, pois a participação das internas nas manutenções e serviços da unidade não só traz benefícios para o sistema prisional, como para a própria Pessoa Privada de Liberdade (PPL), tornando o ambiente que vivem mais agradável”, afirmou.

A seleção das internas é avaliada a partir do histórico e situação carcerária, análise de processos e demandas judiciais em geral. Um grupo de profissionais de Psicologia e Serviço Social avalia o comportamento social, o bom convívio e os laudos psicológicos que apontam se as internas estão realmente aptas para exercer os serviços.  

Fardamento – Na tarde desta quarta-feira (27/02), foram entregues os uniformes das detentas, seguido de orientações quanto à postura e disciplina para o exercício das atividades, um grande estímulo para que as Pessoas Privadas de Liberdade possam ocupar a mente e colaborar na manutenção de onde vivem.