Segundo as autoridades locais, 18 mergulhadores fazem parte da equipe de resgate das crianças presas na caverna Foto: Royal Thai Navy via AP
Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

MAE SAI, TAILÂNDIA – Seis dos 12 meninos que estavam presos há duas semanas em uma caverna inundada na Tailânida já foram regatados, segundo agência Reuters. 

Autoridades no norte da província de Chiang Rai começaram neste domingo,8, a perigosa missão de resgatar os 12 meninos e seu treinador. “Seis crianças saíram”, disse Tossathep Boonthong, chefe do departamento de saúde de Chiang Rai e parte da equipe de resgate. 

Segundo o governador interino da província de Chiang Rai, Narongsak Osottanakorn, 18 mergulhadores participam do resgate – cinco membros da Marinha tailandesa e treze estrangeiros. Cada criança será acompanhada por até dois mergulhadores. Sem previsão de quanto tempo irá durar a operação, o governador informou que os profissionais devem levar 11 horas apenas para a retirada da primeira criança e que o resgate completo do grupo poderá continuar por dias.

“Hoje é o dia D”, disse Osottanakorn. “Nós não podemos esperar mais”

Segundo os responsáveis pelo resgate, toda a operação poderá durar pelo menos dois ou três dias.

Antes do início oficial das operações de resgate, as autoridades ordenaram que os veículos de imprensa deixassem as proximidades da caverna. No local, 13 ambulâncias e dois helicópteros com médicos e membros da assistência sanitária aguardam a saída do grupo para um eventual tratamento de emergência e deslocamento para hospitais da região.

Especialistas alertam que um resgate pela água nestas condições deveria ser o último recurso, visto que nenhuma das crianças teve treinamento em mergulho e estão fora das condições físicas. No entanto, o governador diz que a melhora no tempo abriu uma janela de oportunidade que poderá se fechar caso as chuvas torrenciais retornem à região, dificultando a drenagem da água da caverna e limitando as chances de acesso às crianças. Osottanakorn afirmou também que os familiares das crianças foram alertados dos riscos da operação de resgate.

 “As crianças estão fortes física e mentalmente”, disse Osottanakorn. “Elas estão prontas.”

O caminho de 1,7 quilômetros até a câmara onde estão as crianças e o técnico é escuro e repleto de passagens estreitas e submersas. A correnteza no local é forte e os níveis de oxigênio são baixos. A trajetória é tão difícil que um ex-mergulhador da Marinha da Tailândia morreu durante uma tentativa de resgate.

As doze crianças, com idades entre 11 e 16 anos, fazem parte de um time de futebol juvenil. Os jovens desapareceram no dia 23 de junho, quando estavam explorando uma caverna. Eles estavam acompanhados do técnico, de 25 anos. Todos ficaram presos no local após uma enchente inundar parcialmente a saída da caverna. O grupo foi localizado na última segunda-feira, 2. //ASSOCIATED PRESS, EFE, THE WASHINGTON POST, AFP


Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •